Este mês de novembro começou bem para os “Estudos da Motocicleta na UFPE”. Tivemos um artigo sobre motoboys publicado no International Journal of Motorcycle Studies (clique aqui para acessar o artigo). Isso é sinal de que é permitido que os engenheiros mecânicos participem da discussão de assuntos mais gerais, que mesclem mercado, indústria, acidentes, trabalho, tecnologia e cultura. Além disso, ter uma publicação em um periódico indexado internacional facilita um pouco conseguirmos financiamento para os projetos que queremos realizar após o “I Fórum UFPE de Estudos da Motocicleta“.

Estudos Culturais

Tudo começou há um ano atrás, quando eu encomendei o livro Motorcycle, de Steve Alford e Suzanne Ferriss (2008). Pensei que fosse um livro comum sobre filmes de moto. Era bem mais do que isso. Os autores falavam sobre tudo que envolve as motos: risco, história dos fabricantes, desenvolvimento da tecnologia, filmes, sexualidade e tudo mais. E melhor, todos esses aspectos eram relacionados entre si. Depois aprendi que essa visão integradora, tentando achar relações recursivas de causa e efeito, é chamada de “Estudos Culturais”.

Até aquele momento, meus estudos orbitavam principalmente em viagens e tecnologia de motos. Com esse novo aprendizado, comecei a correr mais atrás de material sobre motoboys, acidentes, fabricantes, movimentos rebeldes de motoqueiros, mercado, mídia, psicologia do motoqueiro e por aí vai. Dá para perceber essa mudança no blog Equilíbrio em Duas Rodas, que no último ano passou a tratar de assuntos bem mais gerais, mas sempre com moto no meio.

IJMS – International Journal of Motorcycle Studies

Depois acabei descobrindo que esses dois autores (Steven e Suzanne) também eram editores do International Journal of Motorcycle Studies, que é uma revista acadêmica dedicada a discutir as motocicletas de todos os pontos de vista. O legal é que, em geral, quem publica no IJMS também é motoqueiro. Quer dizer, eles têm a experiência de rua, paixão pelo tópico de estudo, têm o ferramental teórico para compreender os aspectos que giram em torno do mundo das motocicletas e, mais importante, o rigor acadêmico para analisar os fatos doa a quem doer.

Motoboys

Continuando na minha lida por compreender o mundo dos motoqueiros (o meu mundo), em fevereiro eu fiz uma pequena coletânea sobre motoboys, com teses de doutorado, dissertações de mestrado, artigos e filmes. Por alguma razão, esse post chamou atenção do Neka, que faz parte do Coletivo canal*MOTOBOY. Ao trocarmos e.mails, o Neka me contou sobre o projeto deles, que tem website, exposição e semana cultural. Mas o que mais me chamou atenção (êita vício) foi o livro que eles lançaram, que é uma mistura de história, análise sociológica e experiência nas ruas dos motoboys.

Juntando uma peça (Estudos Culturais do IJMS) com outra (o livro do Coletivo canal*MOTOBOY), vi que seria importante divulgar a cultura dos motoboys para os que não vivem aqui. Eles estão acostumados a ler sobre Corredores, Construtores, Fuçadores, Inventores, Empreendedores, Fabricantes, Bikers, Cafe Racers, Ton-Up Boys, Rockers, Mods, Bosozokus e Mat Rempits, mas não conhecem o nosso dia a dia. Espero ter ajudado um pouco com a minha pequena contribuição, que foi comunicar experiências e visões dos motoqueiros daqui para os motoqueiros de lá.

Artigo Publicado no IJMS

A pedido dos editores do IJMS, o artigo foi publicado em uma versão em inglês e outra versão em português. Vários assuntos do artigo são bastante óbvios para nós, mas como a audiência não é daqui, fui um pouco detalhista. Tentei aproveitar para, além de falar especificamente sobre o Coletivo canal*MOTOBOY, também mostrar para o mundo lá fora o que temos de novo por aqui: um novo sopro de independência para os trabalhadores, companheirismo, liberdade para construir as próprias estratégias e amor pelas motocicletas

O IJMS é totalmente livre. O leitor tem acesso a todos os artigos já publicados. Recomendo a leitura da missão do jornal e a sua estrutura. Uma parte bem legal é a biografia dos autores, que são acadêmicos responsáveis, mas que não deixam de mostrar a paixão pelo motoqueirismo.

Written by magnani

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *