Encontros e Desencontros

Jan 12th, 2015 | By | Category: Bicicletismo, Destaques, Editoriais, Livros, Motoqueirismo, Papo Geral, Posts

Tenho publicado pouco, é verdade, mas não por falta de tempo para dedicar às duas rodas. Ao contrário, quase não tenho feito outra coisa a não ser refletir, viver, trabalhar, estudar e escrever sobre as motos, as bicicletas e os livros. Este texto conta um pouco do que aconteceu no último ano. Espero que goste do passeio, e que, depois, mande um sinal de fumaça ou um toque de tambor. Não vejo muita razão para publicar algo se não for como mote para uma prosa. Afinal, estou nesta vida para aprender, não para ensinar. Como teria dito o filósofo, só sei que nada sei.

Small is Beautiful, O Pequeno é Belo

Dois mil e quatorze começou com uma troca de motos. Deixei de lado a velha companheira XT660, que é uma moto relativamente grande, boa para viagens, certo, mas que também é de difícil manutenção, pesada no trânsito, e quase impossível de vender. Dizem que comprar uma moto mais cara é como um casamento de papel passado, de tão difícil que é terminar o relacionamento quando é chegada a hora. É por aí mesmo.

Para substituir a XT660, comprei uma CB300. Uma moto menor, mais urbana, e que, embora tenha o motor um pouco mais potente que as motos comuns que rodam pela cidade, é bem parecida com elas em todos os outros aspectos. Estou gostando muito dessa moto menor. É bem melhor rodar pela cidade junto com todos os outros motoqueiros, anônimos como eu, sem chamar a atenção só por causa da moto. Claro que quero me sentir um indivíduo único – nem melhor nem pior, único -, como todo mundo quer; mas que seja pelo que se passa agora na minha cabeça e no meu coração e no meu espírito, que seja pelos meus atos e que seja pelas minhas palavras, não pela moto que estou vestindo no momento ou pelas coisas que já fiz no passado.

Depois da troca de motos o meu jeito de pilotar mudou muito. Isso porque uma moto diferente te faz andar em um ritmo diferente, tanto fisicamente, pois algumas motos correm mais nas retas livres mas são mais lentas entre os carros, quanto socialmente, já que nós os motoqueiros nos sentimos mais desarmados conversando com quem tem o mesmo tipo de moto que a gente.

A Garota Existencialista de Cabelo Longo

Nos dias em que eu estava escrevendo o texto sobre essa nova vivência motoqueirística com a CB300, encontrei por acaso, por apenas dez minutos, na seção de livros usados de uma livraria de rodoviária em que costumo parar para descansar quando viajo de moto, folheando a biografia ficcionalizada do enxadrista Carl Schlechter, uma garota que se dizia existencialista, que é “uma filosofia baseada no indivíduo, que toma como ponto de partida um senso de desorientação e confusão em face de um mundo aparentemente absurdo e sem significado”.

Foi uma conversa breve, solta, dessas que a gente não dá muita bola no momento, mas que provocam grandes e irreversíveis mudanças – ou grandes retornos. O que aconteceu comigo foi um desses flashbacks de cinema, daqueles que duram uns poucos segundos, só que de alguma forma você revive partes inteiras da sua vida. Revivi o que eu estudava e pensava muitos anos atrás, uma época em que eu sabia o que queria, um tempo em que não vivia nesse automatismo diário. Assim que voltei da estrada, procurei meus velhos livros de filosofia, comprei alguns outros. Mais importante, nos próximos dias deixei esses pensamentos filosóficos escoarem novamente livres em meu espírito, enquanto fuçava na minha moto, enquanto rodava com minha bicicleta. Tudo por causa de um encontro casual que não deveria ter tido relevância alguma – mas que teve. Maluco. Estranho. Maluco, estranho e fantástico.

Acabei então misturando em um único texto esses dois temas que ocupavam minha mente no começo do ano: os diferentes ritmos das diferentes motos e o tal do existencialismo. Tenho muito orgulho do resultado. Até o título ficou legal, Motoqueiros em Fuga, que faz referência a um estilo musical em que várias vozes se entrelaçam, como se fossem motos procurando espaço em uma avenida movimentada. Não vou falar sobre o texto aqui, pois não faria sentido, mas se você ficou curiosa, por favor, fique à vontade para uma lida. Só quero dizer que aquelas ideias do texto não devem ser tomadas como algo definitivo. Não se trata de uma nova fé escrita em pedra. Por enquanto nada mais é que uma tentativa de incluir de forma mais consciente um pouco de filosofia nesses lances de duas rodas.

Sabe que filosofia não é o mesmo que sabedoria? Filosofia é o amor pela sabedoria, a busca – não a sabedoria em si. Você não precisa ser um sábio para ser um filósofo, muito pelo contrário. Filosofia também não é isso que ensinam nas universidades. Eles não ensinam o amor pela sabedoria, ou o caminho da sabedoria. Ensinam apenas a história da filosofia e alguns métodos usados por alguns sábios já mortos. Filosofia é algo vivo, que todos podem fazer. Filosofia é parecido com uma viagem de moto, ou um passeio de bicicleta, onde o fundamental é curtir cada curva, cada horizonte, fugindo dos lugares turísticos, desbravando pequenas trilhas, sem pressa nenhuma para chegar ao destino. Na verdade, o destino não importa, o destino não existe. O que importa é o caminho. E se você tiver sorte, talvez deixe algumas pegadas que serão vistas por outros caminhantes.

O Convite ao Velho Professor Bon Vivant

No final de fevereiro, em algum dia entre a troca da moto e o encontro com a garota existencialista, resolvi convidar um antigo professor para fazer parte da banca de mestrado de um dos meus orientandos. O trabalho era sobre a simulação computacional de motocicletas, bicicletas e automóveis em uma avenida, visando o cálculo do fluxo de veículos e do consumo de combustível em várias condições de tráfego. Por exemplo, qual seria o percentual ideal de motos para maximizar o fluxo?

Embora essa dissertação, a primeira na nossa linha de pesquisa de Estudos em Duas Rodas, tivesse sido bastante desafiadora para gente, fiquei meio receoso de que o tema não despertasse a atenção do meu professor a ponto de motivá-lo a gastar dois dias do seu tempo em viagens intermináveis. Só que eu queria a ajuda dele para nos guiar nos próximos passos, não necessariamente na simulação em si, mas no prosseguimento da linha de pesquisa como um todo; por isso, ao escrever o e-mail convite, me esforcei para expressar a essência da investigação que estávamos começando.

Em um primeiro momento, queríamos investigar a relação entre as várias escalas do problema, que no caso são a propulsão, o veículo e o tráfego. Isso porque o comportamento global de uma avenida depende de tudo o que acontece, desde o movimento do punho do motoqueiro acelerando a moto até a existência de uma fila quilométrica na pista causada por um acidente. Depois, bem mais para frente, queremos entender esse fenômeno sob o olhar da complexidade, que é uma área que estuda como padrões altamente complexos (e.g., tráfego) emergem da interação de indivíduos relativamente simples (e.g., veículos).

Não temos a pretensão de nos transformarmos em engenheiros de tráfego ou em físicos da complexidade, mas acreditamos que podemos contribuir com nosso conhecimento sobre termodinâmica, otimização, e sobre os veículos de duas rodas. O meu antigo professor não respondeu ao convite, o que me deixou um pouco triste, mas aquelas ideias sobre o que buscávamos ficaram na minha cabeça. Voltaremos a elas daqui a pouco.

Algumas Brincadeiras com as Motos Virtuais

No início de abril começaram as aulas do primeiro semestre da graduação, em que oferecemos, pela quarta vez, a disciplina Engenharia da Motocicleta. Como é uma disciplina eletiva, a sua realização depende do interesse dos alunos, o que não houve dessa vez. Não sabemos direito a razão. Horário ruim? A maior parte está fazendo estágio nesse momento do curso. Desinteresse pelo estudo das motocicletas? Com a vinda da FIAT para o estado, talvez preferissem estudar os automóveis. Professores medíocres? Os estudantes não costumam nos criticar abertamente, o que dificulta bastante percebermos nossos defeitos para, daí então, tentarmos melhorar – ou então desistir. Má divulgação? Na realidade, a disciplina aparece no sistema dos alunos com o nome oficial genérico ME497 – Tópicos Especiais em Energia I, então, talvez, na hora da matrícula, os estudantes não se atentem aos cartazes que espalho dizendo o seu nome real. Um primeiro passo para tentar corrigir esse problema foi, finalmente, mudar o nome da disciplina. Agora ela existe oficialmente no sistema: ME633 – Engenharia da Motocicleta. Très chic. Vamos ver se teremos estudantes interessados em 2015, como tivemos nas primeiras três edições. Se não tivermos, o problema deve ser com os professores mesmo.

Como essa disciplina de graduação não foi realizada, acabei ficando com tempo para reescrever dois códigos computacionais que usamos na simulação do motor de combustão interna e da dinâmica do veículo, tornando-os mais fáceis para que novos usuários os entendam. Foi um passo importante, pois os códigos seriam usados também na disciplina de pós-graduação que tinha começado recentemente, em meados de março: Propulsão de Bicicletas e Motocicletas.

No tempo livre, fiz algumas simulações com esses novos códigos, algumas brincadeiras qualitativas. O resultado foi publicado aqui no JEDR como Dinâmica da Motocicleta, que é uma mistura de análise técnica, manifesto político, breguice literária, e, principalmente, desenvolvimento inicial de algumas daquelas ideias que estavam no convite que fiz ao meu professor, principalmente sobre as várias escalas de análise, já que nesse texto ficava bem clara a importância do motor em um primeiro momento e depois do veículo.

Por Um Pouco de Rigor no Mundo das Duas Rodas

Maio foi dedicado a escrever um projeto de pesquisa para submeter ao CNPq. Esse tipo de projeto é importante para a gente, pois financia computadores, softwares, e viagens para outras instituições. As bolsas dos estudantes, que são fundamentais para que eles possam se dedicar exclusivamente à pesquisa, já haviam sido concedidas pelo nosso programa, então não estavam em jogo naquele momento. Por isso, muito mais que dinheiro, a aprovação daquele projeto de pesquisa significava que o que estávamos fazendo tinha algum valor aos olhos da comunidade científica.

O problema foi que, ao escrever esse projeto Estudo Computacional do Tráfego de Motocicletas, Bicicletas e Automóveis: Uma Abordagem Multiobjetivo, Multiescala e Multifenômeno, baseado tecnicamente no que tínhamos feito na dissertação de mestrado do Paulo, não consegui de jeito nenhum me ater apenas aos métodos técnicos, que é o que seria avaliado pelos nossos pares da engenharia mecânica. Senti uma forte necessidade, uma compulsão, por escrever sobre a base filosófica da nossa linha de pesquisa. Na verdade, esse projeto acabou sendo uma segunda expansão daquele e-mail que eu tinha escrito para convidar o professor, ideias que já haviam crescido um pouco no texto Dinâmica da Motocicleta.

No bacanal intelectual que foi o processo de escrever esse projeto, do qual não tive fuga, tratei de vários aspectos do tráfego, como economia, sociologia, mobilidade, política, preconceito, trabalho e tecnologia. Falando particularmente do aspecto técnico, inclui outras ideias, como por exemplo a nossa curiosidade em como mais duas escalas também influenciam o trânsito (i.e., a mente do condutor e os costumes da sociedade), e como as métricas escolhidas atraem esta ou aquela solução.

Quer dizer, se você quiser maximizar a arrecadação de impostos a curto prazo, a melhor solução talvez seja encher as ruas de carros; se você quiser maximizar o bem estar da população, talvez as bicicletas sejam a melhor solução; se você quiser vencer as próximas eleições talvez seja melhor induzir a vinda da FIAT e da Petrobrás ao estado. Em outras palavras, a solução ótima depende do seu objetivo. Essas ideias sobre métricas foram herdadas da minha linha de pesquisa mais antiga: Otimização de Sistemas Térmicos.

O texto do projeto ficou gigantesco, com quase 100 páginas, caótico e sem foco; uma mistura da nossa visão política, filosófica, social, científica e técnica sobre a mobilidade urbana envolvendo motocicletas e bicicletas.

No final das contas, o projeto até foi qualificado (i.e., considerado bom por nossos pares), mas não foi classificado entre os que mereciam financiamento. Tudo bem, pois nós havíamos nos planejado para aprovar um primeiro projeto apenas em 2015, então poderemos tirar todas as partes não técnicas quando o submetermos novamente. A pena de não recebermos a grana agora é que teria sido legal se os estudantes pudessem visitar outras instituições para sabermos o que andam fazendo; e computadores novos também facilitariam bastante as simulações. Apesar das dificuldades, faremos a pesquisa mesmo assim.

O importante é que agora tenho um texto completo para passar ao novos estudantes do nosso grupo, para que entendam os reais objetivos da nossa linha de pesquisa, que vão muito além da técnica, muito além da simulação computacional.

Na verdade, acho que ao escrever esse projeto finalmente descobri a essência do que buscamos em nossa linha de pesquisa, a nossa visão, aquilo que estava tentando contar para o meu antigo professor. Até encontrei um nome pomposo, chamando de motobicentrismo acadêmico essa visão integrada de técnica, ciência, política, economia e sociologia. Isto é, um estudo onde as motos e as bicicletas são colocadas no centro da atenção, e depois observadas usando métodos de várias áreas acadêmicas. Em geral não é isso que é feito. Em geral, uma determinada área usa alguns poucos métodos para estudar muitos objetos e fenômenos diferentes. A nossa proposta era diferente, estudar poucos objetos – bicicletas e motocicletas – através de muitas áreas diferentes. Isto é, dar mais importância ao problema que se estuda do que ao método de estudo que se domina. Não é nada inédito ou original, mas também não é algo tão comum na academia. Aprendi com aquele tal professor.

Um Toque de Humanidade

Por coincidência – tenho uma amiga imaginária que é bruxa e que não acredita em coincidências, e certamente não é coincidência eu ter uma amiga imaginária bruxa -, exatamente no dia que entreguei o projeto, uns colegas da área de humanas me convidaram para ministrar uma aula sobre motos na Antropologia: Rodando pela Cidade – Motoqueirismo. Fiquei bastante honrado, mas um pouco pensativo de como seria a vida do outro lado da universidade. Aqui na engenharia é fácil dar aula: você fica falando sozinho no púlpito e de vez em quando faz umas contas difíceis no quadro. Sempre se policiando para jamais proferir uma opinião pessoal ou de se expor como cidadão ou indivíduo. Não precisa se preocupar com os estudantes te fazendo perguntas para as quais não sabe a resposta. Os estudantes em geral não irão te incomodar, pois aprenderam na escola e no básico, com muitas chicotadas morais, a nunca interromper um professor, e também a bocejar quando o assunto não for cair na prova. E isso não é culpa dos estudantes – não mesmo.

Partindo do princípio de que nenhum ensino pode ser pior do que esse da engenharia, e que eu teria que necessariamente evoluir para não passar vergonha, pedi umas dicas a esses colegas humanos. Para o qual responderam, meio brincando, meio falando sério, que era só uma questão de colocar um monte de “eu’s” na conversa e deixar os estudantes falarem também. Quer dizer, pelo o que eu entendi, o importante seria dar a minha visão pessoal sobre a vida de um motoqueiro, falando sobre minhas viagens, meus estudos, meu dia a dia nas ruas e minhas aulas. E, depois de falar, seria só uma questão de aprender com o que a platéia dissesse.

Como assim, tudo misturado? Nunca. Não falo sobre meus estudos e sobre minhas aulas quando estou debaixo de um viaduto com outros motoqueiros, esperando a chuva passar. Também não falo das minhas viagens e da minha existência diária nas ruas quando estou na sala de aula. Sei dividir muito bem meu trabalho da minha vida. E tenho certeza que estou sendo um “bom cientista”, objetivo e concentrado, ao fazer isso. Sei dividir muito bem a minha vida do meu trabalho. E tenho certeza que estou sendo um “bom cidadão” quando estou nas ruas, sendo humilde e gentil ao privar os outros das minhas pedantes e míopes opiniões acadêmicas.

Sei me restringir à engenharia da motocicleta e da bicicleta quando estou dando aula para engenheiros, sei me restringir ao motobicentrismo acadêmico quando estou tratando com outras áreas acadêmicas, sei me restringir ao motoqueirismo e ao bicicletismo aqui no JEDR, e sei ser um motoqueiro e bicicleteiro comum quando rodo pela cidade no dia a dia.

Mas, pensando um pouco melhor no convite para a aula humana, acabei chegando ao outro lado do pêndulo, achando que talvez fosse até tranquilo. Afinal, eu tinha acabado de escrever um projeto que levava em conta várias escalas, vários fenômenos, vários objetivos, que quebrava incertezas acadêmicas, rompia dicotomias e era fortemente baseado no motobicentrismo acadêmico, que unia técnica, ciência, economia, política e sociologia. Exatamente o que eu havia me proposto. O que podia ser mais geral que isso?

Bastaria então falar dos meus quatro mundos. Primeiro mostraria umas contas cabeludas para impressionar. Depois faria um resumo do projeto acadêmico, que até ali me parecia algo bem geral. Seguindo o rumo, em um papel mais filosófico, apresentaria um pouco dos meus estudos fora do trabalho e falaria sobre o JEDR. Para terminar, dando uma pitada humana, contaria umas historinhas sobre minhas viagens e diria como é o meu dia a dia no tráfego urbano.

O problema é que, ao visualizar a aula desse jeito, me vi como quatro pessoas diferentes. Na primeira parte um professor de engenharia vaidoso e vazio, tentando impressionar ao invés de construir um novo conhecimento. Depois um sofista, sem uma filosofia e sem individualidade. Também me sentia como um sociólogo de botequim ou um filósofo de padaria, sem vida e sem conteúdo. Na última parte me via como um alienado, um motoqueiro que não conseguia extrair uma gota sequer de conhecimento do seu trabalho acadêmico para enriquecer sua vida. Era como se os meus quatro mundos – Engenharia, Motobicentrismo Acadêmico, Motoqueirismo e Bicicletismo, e Dia a Dia – fossem estanques.

Esses compartimentos, parece, seriam mais ou menos como se segue. Engenharia: sem um indivíduo, sem experiências pessoais, sem teorias acadêmicas de outras áreas. Motobicentrismo Acadêmico: sem um indivíduo, sem experiências pessoais, engenharia em um papel reduzidíssimo. Motoqueirismo/bicicletismo: sem teorias acadêmicas, sem engenharia, experiências pessoais reduzidas. Dia a Dia: sem teorias acadêmicas, sem engenharia, sem política, sem filosofia, sem leituras, sem escrita, sem um indivíduo. Como se vê, em qualquer um desses compartimentos sempre faltava algo – faltava muito, na realidade.

Percebi então que o motobicentrismo acadêmico, que usei como base teórica para o projeto submetido ao CNPq, não é bem o motoqueirismo/bicicletismo que eu defendia nos meus textos pessoais, já que este último é uma mistura de aspectos de cidadania, de respeito à individualidade dos motoqueiros/bicicleteiros e de experiências pessoais. Por outro lado, percebi também que o motoqueirismo/bicicletismo sobre o qual escrevo no JEDR também não têm sido a integração de tudo que faço, uma vez que não trago para ele meu lado mais técnico e acadêmico.

A pergunta que me fiz, então, foi: será que essa visão motobicentrista acadêmica bate com o que sinto quando ando de moto? Bate com as minhas crenças filosóficas? Ela engloba o motoqueirismo/bicicletismo que construo no JEDR? Por outro lado, o que escrevo no JEDR engloba o trabalho na engenharia e nas outras áreas acadêmicas? Qualquer um dos dois sozinhos, motobicentrismo acadêmico ou motoqueirismo/bicicletismo, integra meus papéis de pesquisador, professor, cidadão e indivíduo?

Daí caiu a ficha. Embora eu tivesse lutado contra as mini certezas acadêmicas ao fazer um projeto transdisciplinar, não desafiei em nenhum momento a minha certeza pessoal do que realmente deve ser o trabalho de um professor. Isso na prática, não na teoria. A verdade é que nunca penso sobre como trabalhar enquanto estou trabalhando, só durante as discussões teóricas sobre o trabalho. Em geral, na vera, quando estou trabalhando apenas imito automaticamente o que os outros professores sempre fizeram. Projetos de pesquisa não podem revelar crenças filosóficas? Esconda as suas crenças até de você mesmo. Aulas não podem expressar as experiências pessoais? Esqueça sua existência no fundo da memória. Simples.

Só que desta vez, como meu trabalho seria dar aquela aula humana, não consegui mais fingir que não via essa incômoda artimanha acadêmica. Não consegui mais fugir da dicotomia entre o que eu penso que deve ser o trabalho de um professor e como eu ajo enquanto estou trabalhando.

A Academia Travestida Reconhece a Existência do Indivíduo

A aula foi até razoável. Mas eu não conseguia parar de pensar nessa divisão que existia nas minhas atividades. Assim como descobri o motobicentrismo acadêmico, que foi a base ideológica transdisciplinar que usei na construção do projeto de pesquisa; e assim como descobri o motoqueirismo/bicicletismo, que é a base ideológica que uso aqui no Jornal Equilíbrio em Duas Rodas; agora teria que ir além, ao descobrir, ou inventar, uma visão pessoal integrada, que, mesmo sendo inconsciente, é a base essencial para a minha conduta como pesquisador, professor, cidadão, motoqueiro e bicicleteiro. Uma base que suporta tanto o motobicentrismo acadêmico quanto o motoqueirismo/bicicletismo. Uma base mais profunda.

Colocando de outra forma, assim como o motobicentrismo acadêmico tentou quebrar as barreiras entre as áreas acadêmicas, e assim como o motoqueirismo/bicicletismo tentou quebrar as barreiras entre as bicicletas e as motos, entre os trabalhadores e os hobbyistas; essa nova visão pessoal talvez quebrasse as barreiras entre os vários papéis que vivo, talvez quebrasse a barreira entre o motobicentrismo acadêmico e o motoqueirismo/bicicletismo, incluindo ainda uma maior participação da engenharia e do meu dia a dia nas ruas.

Melhor, talvez ao conquistar uma consciência da minha base filosófica eu me permitisse sair de um estado de confusão, reativismo e automatismo, um estado de divisão interna, resultando então em uma conduta minimamente criativa.

Passei um mês todo refletindo e escrevendo um texto imenso, chamado A Metafísica do Motoqueirismo e do Bicicletismo, desenvolvendo essas ideias dos parágrafos anteriores, desenvolvendo essa tentativa de integrar as várias pessoas em um único Fábio Magnani. É uma busca intelectual, acadêmica, reflexiva, mas que leva em conta as experiências e os sentimentos do indivíduo.

O texto ainda não está legal para ser publicado. Na verdade, não consegui ainda juntar todas as peças dentro da minha cabeça. Quem sabe agora em 2015 consigo trazer um pouco mais da academia aqui para o JEDR, e levar um pouco mais do JEDR para a academia. Não estou com pressa.

A Burguesia Não Tem Charme Nem é Discreta

Em julho escrevi uma paródia de como os motoqueiros são tratados pela elite responsável por sua segurança, A Liga Extraordinária Contra os Motoqueiros da Maldade. Serviu para desanuviar a minha mente de todas aquelas outras preocupações filosóficas. É um dos textos políticos dos quais mais me orgulho, mas por alguma razão não tive muitas respostas, nem positivas, nem negativas. Talvez porque tenha sido um texto mais intelectual, escrito com a mente, distante do coração. Mas ainda tenho esperança que um dia esse texto terá alguma importância.

Por Quem os Sinos Dobram?

Outro texto que ainda não foi publicado, mas com o qual gasto bastante energia, é sobre os Motoqueiros Temerários, que são esses motoqueiros que ocasionalmente arriscam suas vidas em cima de uma moto. É um texto difícil porque não tenho muita base teórica para compreendê-los, não tenho muito contato com eles, e também porque não tenho uma opinião formada. Só sei que duas coisas são importantes. Primeiro, mostrar às autoridades que apenas uma minoria dos motoqueiros tem comportamento temerário, e mesmo esses só têm esse comportamento em algumas ocasiões; então é preciso mudar a forma como as campanhas de prevenção de acidentes têm sido feitas. Segundo, que alguns motoqueiros têm esse comportamento temerário por alguma razão bastante profunda, que não pode ser resolvida com campanhas professorais na televisão.

Por isso, meu primeiro passo foi escrever um texto, ainda em 2013, com Reflexões de um Motoqueiro Sobre Colisões, Quedas e Atropelamentos. Ao propor que os temerários são irrelevantes nas estatísticas de acidentes, embora sejam extremamente marcantes aos olhos da sociedade, eu teria então liberdade para tratar deles em um texto futuro – que é esse tal que não vai nunca para o papel.

Quanto ao comportamento temerário sobre duas rodas, talvez o único estudo mais profundo seja sobre os Bosozokus, aqueles motoqueiros japoneses famosos na década de 80. No primeiro semestre, estudei vários livros e comecei até a preparar um texto sobre eles. Interessante, pois parece que toda hora que tento desenvolver o texto sobre os temerários aparece algo que preciso fazer antes (e.g., primeiro as reflexões sobre as causas dos acidentes e depois os estudos sobre bosozokus) na tentativa de compreender porque alguns jovens motoqueiros se arriscam tanto sobre suas motos. Espero que esses dois textos, bosozokus e motoqueiros temerários, saiam em 2015.

Vamos Pedir Piedade aos Que Escrevem Textos Sobre Textos

Além dos Bosozokus, há mais cinco textos quase prontos sobre livros que estudei em 2014. Uma pilha que insisto em deixar sobre a minha mesa para me cobrar. Segways, com a história do desenvolvimento de um novo veículo que iria mudar o padrão de mobilidade da humanidade, com uma base tecnológica muito forte na automação e controle. Claro que a ideia dos caras era pomposa demais, mas os desafios que eles enfrentaram (e.g., tecnológicos, legais, culturais) são universais e inspiradores.

Em Rickshaws estou tentando desenvolver algumas ideias sobre o uso de veículos pelos trabalhadores. Os rickshaws não têm só duas rodas, tecnicamente, mas são quase bicicletas. A maior parte dos livros que tenho sobre bicicletas e motos fala muito do seu uso pela classe média, seja para lazer ou para a construção de uma identidade política – quase nada sobre o povo. Por isso estou gostando muito desse material que encontrei sobre os rickshaws.

O quarto texto sobre livros é Amsterdam, conhecida como a Cidade das Bicicletas, onde elas são tão comuns que é até estranho falar sobre uma luta por elas. Seria como, aqui, alguém propusesse uma luta pelos sapatos. Amsterdam é uma cidade única, com uma história e condições únicas, de muito difícil reprodução em outros locais. No entanto, vale a pena dar uma olhada nas experiências deles, tanto para dicas quanto para inspiração.

Tenho fixação por Motocicletas Pequenas, que para mim são as mais elegantes e gostosas para rodar no trânsito. Não há muitas publicações por aí sobre elas, mas dá para pescar uma coisa aqui outra ali em livros sobre bicicletas elétricas, Vespas, Lambrettas, mopeds, bicicletas motorizadas e motos incomuns. Também comecei a me interessar um pouco sobre a Arte e a Arquitetura para Bicicletas, tema que inclui expressão urbana, design de interiores, produtos e urbanismo.

Na verdade, apesar desses seis textos sobre livros estarem bem pesquisados e relativamente planejados, falta um pouco de tesão para finalizar. É que só faz sentido escrever quando você tem a necessidade de organizar algo, ou quer se expressar, ou quer ajudar aos outros com o pouco que sabe. Nesses casos que comentei, como são baseados em livros bem escritos, não preciso organizar nada (ao contrário do caso dos Motoqueiros Temerários e da Metafísica do Motoqueirismo, que são assuntos totalmente bagunçados na minha cabeça), não preciso usá-los para expressar algum sentimento, e também ninguém parece interessado. Que esperem o seu tempo.

É muito chato escrever textos sobre textos sem nenhuma razão pessoal ou por algum motivo mais profundo, sem criar algo de novo juntando peças de uma forma que ninguém tinha pensado antes. Provavelmente esses textos aparecerão só quando eu conseguir ligá-los a temas mais gerais e mais importantes para mim.

Meus Sonhos Queimam Prédios

Fecham-se as cortinas. Pausa para o xixi. Abrem-se as cortinas para a segunda parte do ano. Ao contrário de 2011, 2012 e 2013, onde segui de perto as políticas industriais, o mercado, o noticiário, as lutas trabalhistas pelos motoboys, as batalhas chiques pelas ciclovias e os acidentes envolvendo veículos em duas rodas, em 2014 fiquei bastante afastado. Por várias razões. Primeiro porque, para conseguir fazer algo útil, tive que concentrar meus interesses acadêmicos, que no momento estão no estudo do tráfego de veículos de duas rodas. Segundo, nunca houve muita repercussão das minhas opiniões, então julgo que não são desejadas no momento, e que portanto podem ficar guardadas na minha cabeça. Terceiro, tenho uma certa dificuldade com a política, pois em geral ela demanda uma coerência e uma unidade que vão contra a liberdade intelectual e a minha integridade como indivíduo. Quarto, a política é algo que envolve profundamente o emocional das pessoas, seus desejos, seus sonhos, seus medos, suas fraquezas, sua história e seus pecados. Talvez como descendente de italianos eu não tenha maturidade emocional para lidar com esse turbilhão da política por períodos prolongados. Ou, como diz minha amiga bruxa, talvez eu não esteja mais disposto a desconsiderar meus sentimentos em qualquer ação que seja, podendo ser intelectual, política ou artística.

No entanto, muito embora seja difícil lidar pessoalmente com a política, acho que ela é importantíssima. Falo aqui da política de verdade, no seu sentido geral, com P maiúsculo – não apenas nos simplórios sentidos eleitoreiro, governista e institucional -, pois é a partir do diálogo político entre os cidadãos que a sociedade vai se moldando em algo razoável para todos. Alguém já disse que a política é a arte do possível, com o qual concordo plenamente. Não tenho problemas em achar que as decisões políticas são imperfeitas, pois não vejo outra alternativa melhor. Não tenho problemas em entender a política em si, ou pelo menos não mais dificuldades que as pessoas normais. O meu problema é entender o meu papel político em particular, é entender como a minha ação política, ou a minha inação política, influencia o indivíduo Fábio Magnani, intelectualmente, emocionalmente e espiritualmente. Já comecei a tratar disso em Motoqueiros em Fuga, mas confesso que não estou nem começando a entender.

Pesquisando o JEDR, depois vi que de certa forma já tinha abordado essa questão do individualismo antes, por exemplo, em um texto de 2011 sobre o filme Ruas de Fogo. Lá eu contava como os individualistas sempre dão mal pessoalmente, embora às vezes consigam vitórias para os outros, mas que ser assim não é uma questão de escolha. É um texto meio triste, que fala sobre aquelas pessoas que, no final, apesar de muito barulho, são as que ficam sozinhas no sábado à noite.

A questão central do meu problema com a política é que os grupos políticos, ao tentarem ganhar força para conquistar seus desejos, justos ou não, honestos ou não, egoístas ou não, acabam desprezando a diversidade de pensamento, a complexidade da realidade e a particularidade dos indivíduos. Surgem então as ideologias sectárias, simplórias e autoritárias – tanto na esquerda quanto na direita; no estado, no mercado e nas organizações sociais; por meios militares, culturais e econômicos; defendendo as bicicletas e as universidades, os carros e o consumismo.

Essas ideologias me são extremamente dolorosas, independentemente do que defendam. Elas atingem o que há mais sagrado para mim, que é a honestidade intelectual. Mas, curiosa e paradoxalmente, quanto mais eu concordo com o mérito de uma determinada luta, mais me dói ver que a ferramenta usada para essa luta é algum tipo de ideologia rasteira, marqueteira e manipulativa.

Quando alguém defende coisas que acho absurdas, como por exemplo a proibição do aborto, o desmatamento da floresta amazônica, a liberação do IPI para venda de automóveis, a diferenciação entre motociclistas ricos e motoqueiros pobres, ou a liberação da velocidade nas cidades, eu não tenho problema algum em atacar tanto o mérito quanto a forma da luta política dessas pessoas. No entanto, quando usam ideologias simplórias para defender melhores condições para as bicicletas ou mais recursos para pesquisa acadêmica, daí eu fico com um puta conflito interno, pois concordo com o mérito, mas não acho que esses méritos justifiquem a imbecilização da política, a destruição da honestidade intelectual e o desprezo das opiniões dos indivíduos.

Em setembro, provavelmente por causa do clima de fla-flu eleitoral e por causa da instalação das ciclofaixas em São Paulo, que não são necessariamente temas desconectados, o maniqueísmo tomou conta do Brasil. A bicicleta virou o símbolo do coletivismo, da socialização, do passo lento, da natureza, da gentileza, da segurança e da eficiência energética. Acompanhando esse movimento, houve um forte ataque pessoal na internet contra os indivíduos que ousassem fazer qualquer crítica às ciclofaixas paulistanas. Isto é, o carinha falava algo contra um trecho da ciclofaixa e em troca recebia um monte de críticas contra a sua pessoa.

Eu também gosto muito das bicicletas, talvez mais que os cicloativistas. Mas elas simbolizam algo muito diferente para mim: individualismo, esporte, pilotagem, diversidade e engenharia. Mais ainda, eu acho que as bicicletas atuais não são tão eficientes quanto poderiam ser, e que são projetadas só para jovens saudáveis – por isso eu tenho várias críticas técnicas a elas. Há muito o que melhorar em seu projeto.

Só que a luta política que vinha sendo travada a favor das bicicletas não englobava esses aspectos que eram importantes para mim. Eu não me sentia representado e, em certo ponto, achava que aquela ideologia massacrante por uma visão única das bicicletas tinha aspectos ruins, como atravancar o desenvolvimento tecnológico (pois desdenham dos veículos elétricos e não aceitam críticas ao projeto das ciclofaixas) e diminuir a importância do transporte individual (tanto as bicicletas quanto os carros são modais individuais, característica importantíssima na democratização da nossa sociedade). Pior era o maniqueísmo, pois se você não fosse totalmente a favor de todas as posições do mainstream cicloativista então você automaticamente era tomado por alguém querendo destruir as bicicletas. No meio daquelas notícias e discussões de setembro, eu, como um anarquista velho e inofensivo, não consegui evitar de publicar alguns posts no facebook fazendo provocações àquela visão simplória.

Não foi algo que me fez sentir bem, ficar provocando quem eu acho que trava uma luta justa. Mas também não foi algo que eu pude evitar. É um ato complicado, pois sei muito bem que se essa minha proposta de desconstrução do discurso juvenil a favor das bicicletas pode ser interessante para (tentar) construir um discurso mais rico, mais diversificado; ela por outro lado também tem o poder (poder teórico mas não prático, já que não sou ouvido) de desconstruir a luta por melhores condições aos bicicleteiros. Esse conflito entre desconstrução e construção política é que me incomoda internamente. Em outras palavras, ao lutar por um discurso bicicletístico mais diversificado, eu estou ajudando ou prejudicando os bicicleteiros a longo prazo? Certamente estou indo contra os cicloativistas tradicionais, mas a minha pergunta não é o efeito sobre esses, mas sim sobre os bicicleteiros de verdade, a grande massa de bicicleteiros que circula nas ruas diariamente.

Eu sinceramente não sei a resposta. Talvez eu esteja no caminho certo. Talvez só esteja querendo chamar a atenção. Talvez eu esteja no caminho certo. Talvez só tenha receio de tomar a decisão errada, ou talvez esteja apenas sendo indeciso como o Burro de Buridan. Como diz o protagonista do filme Mr. Nobody, que assisti agora nas férias, um dos melhores da minha vida, enquanto você não escolhe, tudo permanece possível – e parado.

Outro ponto que me incomoda é o apoio quase que irrestrito que as universidade brasileiras têm feito ao desenvolvimentismo escolhido pelo governo atual. Em particular a minha UFPE, que abraçou praticamente sem críticas a vinda da FIAT e da Petrobrás ao estado de Pernambuco. Isso beira a irresponsabilidade, em um momento em que a cidade do Recife está praticamente parada com tantos congestionamentos e que sofre com tantos acidentes. Não que faça muita diferença para o nosso tráfego onde os carros são fabricados, mas simbolicamente parece uma provocação, uma insensibilidade para os problemas sociais, urbanos e econômicos que vivemos.

Quanto a esses assuntos mais técnicos – poluição, congestionamentos, acidentes e custos -, minha atuação como cidadão tem se limitado a fazer textos demonstrando que os carros atuais não são essa maravilha vendida nas propagandas. No facebook, por exemplo, volta e meia publico algum post com críticas técnicas.

No entanto, diferentemente do caso das campanhas pelo uso das bicicletas, no caso das análises técnicas de veículos minha posição política é mais clara. Ao mesmo tempo em que faço essa desconstrução ao discurso marqueteiro que vende esses veículos chinfrins, também participo de um trabalho de avaliação tecnológica demonstrando o impacto que pequenas modificações nos veículos poderiam trazer. Isto é, assim como no caso da luta política pelas bicicletas, na parte técnica também faço um trabalho ora de desconstrução política (ao divulgar que os carros atuais são uma porcaria) ora de construção política (usando resultados numéricos para apontar caminhos que devem ser seguidos). A diferença é que aqui eu sei o que estou fazendo.

Concluindo, penso que a minha luta política contra o pensamento único está acima da minha luta por melhores condições aos bicicleteiros ou mais respeito aos motoqueiros. Na hora de lutar contra os carros atuais, sou pelas motos e bicicletas. Mas na hora de lutar contra imbecilidades maniqueístas, sou contra quem é imbecil, defenda ele as bicicletas, as motos ou os carros.

Bem, tentei falar um pouco sobre esse imbróglio político que existe na minha cabeça, mas confesso que eu mesmo não entendi nada do que eu quis dizer. Só sei que por um lado tento desconstruir ideologias simplórias (“só as bicicletas trarão a salvação a partir do comunismo”, “os carros são o símbolo do progresso e do desenvolvimento”), e por outro lado, a partir dos meus textos, da nossa pesquisa, das disciplinas e das orientações, tento contribuir na construção de algo positivo.

Para falar a verdade mesmo, não creio que um velho como eu deixará com o tempo de ser rabugento, individualista e anarquista. A coisa tende a piorar. Procuro então me policiar para dar a liberdade aos meus estudantes, procuro criar disciplinas e trabalhos diversificados, com múltiplos pontos de vista para que o pensamento de cada um possa florescer, procuro escrever textos mais abertos. Que esses estudantes e esses leitores saibam misturar esse conhecimento acadêmico que estamos criando com uma sabedoria política que terão que trazer de outro lugar, para então proporem mudanças reais.

No final das contas, acho que, apesar dos conflitos internos que vivo eternamente, existe uma pequena contribuição política da minha parte, que está no efeito do conteúdo dos meus textos, da forma das minhas disciplinas e orientações, e do exemplo que dou no dia a dia como motoqueiro e bicicleteiro. Uma contribuição humilde, claro, como seria de se esperar que fosse a contribuição de apenas um indivíduo, mas mesmo assim uma contribuição.

Essa busca pelo equilíbrio político, entre a união necessária para vencer a luta e o respeito ao indivíduo, parece que ficará comigo muito tempo ainda, provavelmente me imobilizando bem mais do que o que seria saudável. Que meus leitores e meus estudantes tenham a clareza política que eu não tenho.

A Geração Perdida

Interessante que ao rever essas publicações que fiz no facebook com críticas técnicas, percebi que parte foi publicada em setembro, parte em novembro. Há um hiato em outubro. É que tem certas coisas que nosso inconsciente faz sem nos darmos conta, mas que mais para a frente revelam um grande impacto. Como um tsunami que vinha escondido sob a água e só emerge quando não há mais para onde fugir. Nem todos os tsunamis são ruins, pelo menos não os metafóricos. Mas deixa-me contar essa história direito.

No meio dessas provocações contra o uso da bicicleta como um símbolo maniqueísta, publiquei uma imagem despretensiosa com a frase “That’s How I Roll” (é assim que eu rolo, ou algo assim), mostrando que podemos nos divertir do mesmo jeito, seja com bicicletas, motos, sexo, cadeiras de roda, com jogos de palavra, com atos cotidianos, e por aí vai. Quer dizer, há essências muito mais profundas que este ou aquele veículo comercial. Alguns dias depois, publiquei uma colagem com várias fotos da Beyoncé de bicicleta e de moto, tentando quebrar essa dicotomia entre os dois veículos. Eu não gosto de pop, mas gosto do pouco que conheço da Beyoncé, pois ela parece uma dessas adolescentes feinhas e desajeitadas tentando ser eróticas sem sucesso. Isso, acho a Beyoncé infantil, no bom sentido. Então, sem dar maior importância, tinha feito duas colagens quebrando dicotomias (já tinha feito outras, mas uso essas mais recentes como exemplo).

Umas duas semanas depois das colagens, publiquei uma foto da Audrey Hepburn lendo um livro, com a frase “Reading is Sexy” (Ler é sexy). Sempre publico essas coisas na minha página pessoal, mas acho que nunca na fanpage, que é só sobre veículos de duas rodas, não sobre livros.

A Audrey é muito famosa por um filme em que roda com uma Vespa por Roma. Então, depois de procurar por uma terceira imagem dela de bicicleta, aproveitei para fazer uma colagem com o sloganMotoqueirismo, Bicicletismo e Livrismo 8)“. Agora não via mais problema algum em colocar o livrismo junto com os veículos de duas rodas, já que, pensando melhor, boa parte do que escrevo é sobre livros que estudei. Além disso, sempre publico as novas aquisições da minha biblioteca.

Legal. A coisa dormiu. Passou mais uma semana. Daí resolvi fazer mais duas colagens MBL (Motoqueirismo, Bicicletismo, Livrismo) usando dessa vez a Brigitte Bardot e o Sean Connery, demonstrando a mesma ideia de que pessoas e ideias são mais importantes que algum produto comercial (e.g., automóvel, motocicleta, bicicleta).

Nascia a ideia do MBL. Só que só com gente famosa? Embora eu respeite e admire essas pessoas, há muito mais no JEDR. Fiz então outras duas colagens, uma com pessoas simples ao redor do mundo e outra com pessoas solitárias na chuva. Mas também gosto de me perder nas grandes cidades, então construí outra colagem MBL com multidões. Mais outra com algo singelo, como flores.

E outra colagem sobre a nudez feminina. Essa última provocou uma grande polêmica dentro da minha cabeça – se devia ou não ser publicada -, pois sempre piso em ovos ao escrever sobre mulheres, negros, gays e deficientes. Como não faço parte desses grupos, sempre tenho medo de ser indelicado. Foi a única colagem em que senti a necessidade de justificar no momento da publicação. Depois eu relaxei.

A ideia da série MBL (motoqueirismo, bicicletismo e livrismo) é afirmar o conceito de mistureba, sem fronteiras definidas, entre as motos, bicicletas e livros. Por isso, em cada composição eu escolho um tema (e.g., flores, cellos, atores) que são então representado nos três universos. Neste caso o tema era a nudez feminina, com imagens representando a exploração, a naturalidade e a liberdade individual; além de mostrar técnicas onde a mulher era pintada em um objeto, em que a mulher era pintada com o objeto, e na qual a mulher escolhia pintar o próprio corpo. Espero que ninguém tenha se sentido ofendida.

As colagens não paravam de pipocar. Durante dez dias, no início de outubro, eu tive uma grande compulsão (a segunda do ano, o projeto transdisciplinar de pesquisa tendo sido a primeira) para explorar esse universo MBL: Audrey Hepburn, Brigitte Bardot, Sean Connery, pessoas comuns, solitude na chuva, multidões, flores, instrumentos musicais, nudez feminina, fogo, submersão na água, pingentes, casais românticos, solitude em preto e branco, arte figurativa com mulheres, gargalhadas em grupo, couro, mulheres conduzindo homens, negros, circo, homens velhos com barbas longas, vinho, arcos, urban sketching, tatuagens femininas, hentai, mulheres idosas, designs diferentes, rodas, óculos, punhados de crianças, solitude em grandes espaços abertos e planos, ouro, ferrugem, black power, pessoas longilíneas, deficiência física, insetos, nudez feminina em P&B, Borderlands, design de interiores, nascer do sol, pintura urbana, culinária, Barbie, pulp fiction, café, sono, homens chiques, mulheres gordinhas e magrinhas, trabalho manual, deserto, mulheres dos anos 60/70, filmes legais, Paul Newman, mistura dos mundos MBLs, roda da morte, mais uma vez nudez, monges, eletricidade, músculos femininos, salas vazias em madeira, designs parecidos, vitrines, homens sozinhos na cidade, e mulheres asiáticas sozinhas na cidade.

Um psicanalista adepto da investigação da livre associação pode se esbaldar com todo esse simbolismo. Aposto que a bruxa da minha amiga já está tentando achar um sentido nisso tudo. Até que, no dia 13 de outubro, eu cheguei ao resultado que aparentemente buscava, um grande mosaico formado por colagens MBL.

Como as imagens originais tinham muitos espaços em branco, já que continham três figuras cada, o mosaico também ficou com muitos espaços vazios, o que deu uma sensação legal de movimento, de instabilidade, de falta de foco. Tipo aqueles quebra-cabeças de deslizar, mas neste caso sem uma imagem no final. Acho que seria mais apropriado compará-lo com um quebra-cabeça de movimento perpétuo. Acho que meu inconsciente estava buscando isso, expressar de forma inequívoca que prefiro viver em um mundo indefinido, onde as ideias circulam em turbilhões, vórtices e reordenamentos. Finalmente estava satisfeito, não precisaria mais fazer colagens para demonstrar meu ponto, minha intolerância com ideologias homogeneizadoras e a rigidez intelectual. Depois de 70 colagens eu estava satisfeito. Não que tivesse explorado todas as possibilidades, claro, mas tinha alcançado o efeito que queria: o mosaico. Estava satisfeito. Claro que estava satisfeito.

A Estrada Menos Percorrida

A satisfação durou menos de 24 horas. A busca não tinha terminado. As colagens continuaram por mais oito dias: pintura em pastel, pessoas em posição reclinada, Chapeuzinho Vermelho, Mulher Maravilha, figuras de pessoas montadas com peças MBL, chocolate, pizza, projeto mecânico, mar, mulheres objeto e mulheres feministas, psicodelismo, mudanças climáticas, miséria humana, pin-up, New York, Itália, relatórios sobre acidentes, oficinas, transporte na Ásia, Vogue, Mulher Gato, Super Heróis, Dia de los Muertos, Holi e capacetes. Curioso que muitos desses assuntos eram cada vez mais desimportantes para mim, mesmo assim a compulsão pelas colagens continuava.

Parecia que não ia acabar nunca. O mosaico seria infinito, então. Dezoito dias, 100 colagens, e nada de esmorecer a minha compulsão. Qualquer ideia que passasse por minha cabeça virava uma colagem, demonstrando sempre haver algo mais profundo e essencial e comum do que uma motocicleta, uma bicicleta ou um livro.

Até que, por alguma outra obra do meu inconsciente (minha amiga bruxa deve estar adorando esse papo), no dia 21.10 montei uma colagem com pessoas jogando xadrez. Montei outra sobre o ateísmo e outra sobre o existencialismo. Dia 22.10, uma colagem bem brega com fotos minhas caminhando para minha moto, andando de bicicleta e escrevendo em um bloco de notas.

E acabou. Depois dessa última colagem, da qual eu tinha vergonha por ser tão personalista mas cuja publicação não pude evitar, eu fiquei, agora sim, completamente satisfeito. No final parece que não era somente o mosaico que eu procurava, mas também algum tipo de integração.

A anarquia política (e.g., minhas críticas aos automóveis e ao cicloativismo extremista), a anarquia intelectual (e.g., o projeto transdisciplinar que construímos e a metafísica do motoqueirismo que lhe trouxe um pouco de humanidade), o movimento constante de expressões artísticas (e.g., o mosaico que pipocou das colagens), são fundamentais para nos manter vivos como sociedade e como indivíduos. Mas é preciso uma certa integração nesse bacanal, um self. Esse tal de self é um conceito usado na psicologia e na sociologia, algo muito diferente do selfie da fotografia, que seria mais apropriadamente definido como ego narcisista – mas não divaguemos. Também não é o mesmo que ter uma casca defensora impenetrável ou imutável, ou uma personalidade forte, isso é ego. Nem fazer só o que os desejos comandam, id.

Acho que desenvolvi melhor essas ideias lá no Motoqueiros em Fuga, quando falei do Atman. Copiando uma parte, ter um self integrado é como existir em um eterno entrelaçamento entre escalas físicas e temporais, ao mesmo tempo em que se mantém uma unidade. Flutuar nas instabilidades, nas oscilações, tanto nos detalhes quanto nas tendências gerais. Fluir no tráfego, curtir os encontros casuais, viver no presente. Isso porque, para uma pessoa com um núcleo forte ou, melhor ainda, um núcleo difuso e caótico e anárquico, mas ainda um núcleo, é possível tanto ser de forma integral quanto sentir de forma total. Viver de verdade é agir como uma moto bem projetada, que oscila incessantemente de um lado para outro, em equilíbrio dinâmico, vivo, um equilíbrio em duas rodas, sem jamais cair, sempre indo em frente.

Para o Jung, o objetivo da vida adulta saudável é a reconstrução do self, unidade que foi perdida durante os anos de formação da pessoa. Acho que ele chama esse processo de individuação. Eu prefiro chamar de integração, ou a busca por um estado de integridade. Uso neste texto a palavra integridade no seu sentido geral, de plenitude espiritual, não no sentido estritamente moral. O self é a transcendência dos aparentemente opostos, das separações internas, das categorias. Ao desenvolver o self, todos os aspectos da pessoa passam a se expressar de forma igualitária. Conforme você vai ficando mais velho, vai deixando de lado o ego e passa a dar mais importância ao que é profundo, às pessoas, à vida e ao universo. Agora chega de filosofia de padaria.

Curioso em saber porque agora estava satisfeito, voltei para examinar com mais cuidado as últimas colagens. Aquelas sobre o festival Holi e a outra sobre os capacetes tinham sido bem comuns, sem grandes significados – a não ser, muito provavelmente, estou certo, para minha amiga bruxa. Mas a colagem sobre o xadrez carregava muita informação. Primeiro, o livro The Queen’s Gambit é um dos meus preferidos, escrito por Walter Tevis, que também gosto bastante. Ele conta a história de uma garota com dificuldades emocionais e sociais que usa o xadrez como caminho para a integração, não com o mundo ou com as normas, mas consigo mesma. Outro detalhe é que a capa da edição que eu escolhi para a colagem, que não é a capa da edição que possuo, agora eu percebia, trazia uma garota que me lembrava muito a garota existencialista da livraria da rodoviária. E ainda tinha um gato, que lembrava muito o gato de Alice no País das Maravilhas, um dos assuntos principais do texto Motoqueiros em Fuga que eu tinha escrito parcialmente influenciado por aquele encontro casual. Bruxaria.

Por falar em bruxa, essa minha amiga imaginária não é dessas mulheres new age que colecionam pedrinhas coloridas e tomam os sucos verdes da moda. Não. Bruxas para mim são as sacerdotisas dos festivais de Dionísio, são as intelectuais queimadas nas fogueiras, são as feministas que lutam contra a opressão. Já que estou imaginando posso fazê-la perfeita.

A próxima colagem, sobre o ateísmo, acho que expressava a minha completa aversão a qualquer tipo de ideologia definitiva, seja religiosa, acadêmica ou política. Claro que não podemos nos livrar de tudo que veio antes da gente, como a linguagem e os modelos mentais sobre a realidade, mas é preciso sempre ter um pé atrás. É preciso destruir símbolos, imagens, e dogmas. É preciso viver em um constante estado de movimento, como no mosaico.

Mas mesmo o mosaico, por mais libertador que seja, e o ateísmo, por mais libertador que seja, são destrutivos, não propõem uma alternativa. Por isso eu gosto do existencialismo, da filosofia pré-socrática, da oriental e da helenística, que sempre namoram com o nada, com o absurdo, com a realidade, e que se baseiam na integração do indivíduo como ponto de partida para essa experiência transitória e insignificante, mas maravilhosa e fantástica, que chamamos de vida. Esse sentimento da necessidade de algo além da realidade, algo minimamente criativo, estava na penúltima colagem, sobre o existencialismo. Mas ainda estava em uma forma algo intelectual, ainda externa a mim, ainda sem um indivíduo. Faltava a última integração. Essa integração é que é chamada por alguns de self. E aquela última colagem, com vários Fábios Magnanis, talvez significasse isso.

Não que com uma simples colagem eu tivesse finalmente alcançado algum tipo de integração. Mas serviu para aprender que era aquilo o que eu buscava. Viver em um equilíbrio dinâmico eterno, como sobre uma moto ou sobre uma bicicleta. Ou planar o pensamento sobre teorias diversas, quando estudo vários autores diferentes. Mas sempre mantendo uma certa coerência, um certo Fábio Magnani. Coisa de adolescente, pode ser, mas espero que não. Espero nunca chegar na adolescência. Espero manter sempre a curiosidade filosófica que só as crianças têm.

As Três Irmãs

Parece que era essa a investigação que eu tinha tentado antes quando busquei a integração, de forma acadêmica, do motobicentrismo acadêmico com o motoqueirismo/bicicletismo. Ou então quando eu fiz críticas políticas contra o desenvolvimentismo da universidade quando esta apoia a FIAT e a Petrobrás, ou então quando fiz críticas políticas sobre o uso da bicicleta como símbolo de algo que não me representava totalmente. Tentando, nesses casos, integrar politicamente o indivíduo com o cidadão.

Agora vejo que foram três caminhos – o acadêmico, o político e o artístico -, que usei para compreender e expressar a minha não conformidade com as ideologias totalitárias, a minha crença de que devemos sempre viver em um estado de ebulição intelectual, e a minha necessidade humana de encontrar certa integridade nesse movimento. Seria mais fácil viver estaticamente, pois daí você pode ser estático também, pode se enrijecer – como esses SUVs imensos ou essas motos cruisers imensas que não servem para nada. Mas, ao escolher viver em movimento, para sobreviver você precisa construir um núcleo (um self) que seja íntegro, mas que seja também maleável, móvel e mutante. É só um começo, talvez tardio para um velho, mas parece que agora finalmente começo a entender o caminho. Vamos ver. Vamos ver.

A Fase de Frases Fáceis

Voltando à vaca fria, mas ainda no facebook, uma outra forma de expressão em 2014 foi a publicação de frases, letras de música e citações. Não me sinto nada à vontade com isso, pois parece ser um jeito fácil de conseguir publicidade e agradar os amigos, já que o número de curtidas é maior que o normal.

Por outro lado, talvez não seja tão desonesto assim, pois as frases de outras pessoas certamente condensam uma sabedoria que eu jamais terei. Ainda, ao escolher o que publicar tenho uma pequena parcela no que está sendo comunicado, principalmente porque está dentro de um contexto de outras coisas que publico. Às vezes as frases são até minhas.

Não sei. Parece desonesto. Mas talvez não seja desonesto fazer um agrado simples a um amigo, sem nenhuma outra pretensão maior. Não sei.

O Trabalho Domestica Escraviza Amansa Dignifica o Homem

Falando um pouco sobre o que aconteceu na universidade, este ano parece representar o amadurecimento da linha de pesquisa Estudos em Duas Rodas. Houve a defesa de mestrado do Paulo, a defesa de TCC do Edmilson e as duas conclusões do Saulo (IC e TCC). O Alcides e o Eric também concluíram o mestrado, mas nas áreas de termografia por infravermelho e otimização de sistemas térmicos, temas que mais para a frente de repente poderão ser absorvidos pelas duas rodas, no estudo de perdas energéticas, monitoramento do corpo do ciclista, e otimização do tráfego de avenidas e de veículos.

O que sinaliza a maturidade, no entanto, é que terminamos o ano com uma equipe de dez estudantes. Quatro doutorandos (Daniel, Patrícia, Alcides e Paulo), três mestrandos (Saulo, Jaqueline e Tomás) e três concluintes de graduação (Arthur, José Pedro e Thiago). Sem contar os outros estudantes de mestrado (Danilo e a Marcela) que, mesmo não trabalhando diretamente com duas rodas, estudam temas comuns, como otimização, sistemas adaptativos, eficiência energética, custos e emissão de CO2. Nada mal para algo que começou oficialmente em meados de 2012 e que quase não tem recursos – ainda.

Esse grande número de estudantes é uma novidade. Não poderei ficar centrado tanto nas minhas ideias – ainda bem. Será bem legal observar como cada estudante irá encarar seu tópico, como aerodinâmica, custos, acidentes e por aí vai. E como pesará os vários aspectos que permeiam cada assunto, temas como a política, a tecnologia e a legislação. Acima de tudo, vou gostar de acompanhar como cada um usará no futuro esse conhecimento que desenvolveu, seja como capital político, como formação individual ou como ferramenta de transformação do mundo. Espero participar um pouco nesse progresso deles, inspirando, ajudando, orientando, provocando. Não tenho grandes ilusões sobre a importância dos professores. Acredito que cada pessoa constrói o seu próprio caminho, com sua própria cabeça, com sua experiência e seus desejos. Mas talvez os professores tenham uma minúscula participação nisso. Vai saber. Vai saber.

Outra novidade nesse segundo semestre foi a reescrita do código de simulação do tráfego, que está sendo transformado de C (paradigma orientado a funções) em C++ (paradigma orientado a objeto), e que, embora sejam linguagens bem parecidas, demandam uma forma totalmente diferente de pensar. Mas a novidade mesmo é que minha participação na reescrita desse código tem sido bem menor que o costume, já que o Daniel vem fazendo todo o trabalho braçal como atividade acadêmica na disciplina Modelagem Computacional do Tráfego de Motocicletas, Bicicletas e Automóveis. Estou mais é ajudando só na integração e nos testes, muito pouco na programação mesmo. Da mesma forma, daqui a pouco o Alcides vai saber muito mais do que eu sobre emissão, dispersão e efeitos dos poluentes, como o Paulo já sabe sobre as três escalas porque está continuando sua dissertação, o Saulo sobre aerodinâmica, e todos os outros estudantes. É interessante poder perder o controle sobre as coisas.

Mais uma disciplina ministrada este ano foi Estudos Sobre Bicicletas e Motocicletas. Esta foi a segunda edição (quarta edição, se contarmos suas vidas passadas como Estudos da Motocicleta). A disciplina foi dividida em duas partes. A primeira em que apresentei tópicos diversos (tecnologia, história, ciência e cultura), e uma segunda parte em que os estudantes fizeram trabalhos, seminários e discussões em outros temas de interesse (acidentes, mercado e indústria, mobilidade, organização política e social). Legal. O trabalho agora é atrair mais pós-graduandos de outras áreas acadêmicas para essa disciplina.

A Biblioteca do Universo

Continuo montando minha biblioteca anacrônica de livros impressos. Se bem que outro dia li uma frase interessante, dizendo que os livros impressos estão ameaçados pelos eletrônicos assim como as escadas pelos elevadores. Não sei, os livros eletrônicos trarão uma nova era, onde os textos não serão mais escritos por um único autor nem serão definitivos – por bem ou por mal. Enquanto isso continuo colecionando-os, como minha única indulgência consumista. O fato é que cheguei ao final do ano com 313 livros sobre motos, 106 livros sobre bicicletas e 182 livros técnicos e acadêmicos relativos à mobilidade (embora essa classificação tenha sido meio arbitrária entre os livros gerais da minha biblioteca particular).

Além de comprar os livros eu também os leio, mas de maneira bem errática e incompleta. Às vezes termino algum. Olhando para esses felizardos, além dos que já comentei aí em cima, que se transformarão em textos sobre duas rodas, este ano me interessei por cidades, existencialismo, filosofia clássica e oriental, teoria da informação, complexidade e por aí vai. Os livros são grandes companheiros.

A Separação

No final de outubro veio a grande má notícia do ano. Talvez essa busca toda por uma integridade tenha sido para me preparar para a separação com a Renata. Sim, a Renata que vocês conhecem de tantas aventuras aqui do JEDR, a mãe do Dante. Foi tudo muito repentino, e tem sido triste, para todos os envolvidos. Uma pena, mas nossa união de oito anos não será nunca apagada.

Dizem que a gente demora seis meses para se acostumar com qualquer mudança, tanto as ruins como ficar paraplégico, quanto as boas quanto ganhar na loteria. Depois dos seis meses você volta a ser quem sempre foi, independente das mudanças superficiais. É o período de luto. Vamos ver se dura só seis meses mesmo. Talvez ainda venham algumas tempestades inesperadas antes da proverbial bonança.

Para mitigar um pouco o sofrimento, ainda bem que a mudança de vida sempre trás junto consigo um monte de distrações, como a necessidade de mudar de casa, burocracias com o contrato de aluguel, um novo supermercado com sua diferente distribuição de produtos que quase te leva à loucura, uma nova rotina diária.

A Nova Mobilidade

Não era nem para falar sobre essas questões pessoais por aqui se não fossem alguns reflexos que tiveram sobre a minha vida em duas rodas. Mudei para Boa Viagem, que fica bem mais longe do meu trabalho e que tem um tráfego dos diabos. Comprei um carro, imperativo da nova vida de pai divorciado. Quer dizer, agora tenho um carro, uma moto, e três bicicletas. Veículos de fábricas tradicionais aqui no Brasil: Fiat Uno, Honda CB300 e Caloi Aluminum. Tenho ainda uma Caloi Sprint 10 e uma Frankenstein urbana, na verdade uma humilde bicicleta feita com remendos. O lado bom em ter veículos dessas fábricas vagabundas – sempre tento ver um lado bom nas coisas -, é que agora poderei analisar mais a fundo a performance dos seus produtos e a qualidade dos seus serviços.

Meu padrão de mobilidade se transformou bastante, tanto pela compra de um novo veículo quanto pela mudança de bairro. Antes morava a cinco quilômetros do trabalho. Eram oito minutos de moto e dezoito de bicicleta. Muito embora de moto eu não esteja contando o tempo que gastava trabalhando para comprá-la e depois para pagar a gasolina, e, no caso da bicicleta, eu não esteja levando em conta o tempo para mudar de roupa e para tomar banho. Agora moro a quatorze quilômetros do trabalho, o que significa vinte minutos de moto, trinta de carro, e quarenta de bicicleta. Mas a conta não é tão simples assim, pois o trânsito nesse novo caminho é variável ao longo do dia. Então, se eu não escolher direito a hora de sair, posso ficar preso um tempão. É, pois o trânsito do Recife está ou completamente parado ou totalmente feroz. Assim com o União Soviética provou que o comunismo não funciona, Recife vai provar que o capitalismo está fadado ao mesmo fim. Prejuízos por trânsito parado e muitos acidentes, carros demais, shoppings abarrotados que impedem as compras, atrasos. E os políticos ainda insistem em trazer a FIAT e a Petrobrás para o estado. Aff.

Eu Também Sou Burguês, Eu Também Cheiro Mal

Por falar nisso, não consigo entender esses políticos corruptos e mesquinhos, que preferem roubar ou agradar empresários do que fazer algo de notável. E aqui não vai nenhum moralismo, é só uma análise sobre o ponto de vista do indivíduo mesmo. Como político bem sucedido, você pode escolher entre ter dinheiro para comprar carros e ternos, que serão admirados apenas por quem admira carros e ternos; ou então você pode escolher ser admirado por sua liderança, por sua inteligência, por seus feitos. Seus carros irão enferrujar e suas roupas serão comidas pelas traças assim que você for para o caixão. Mas, se tiver feito algo grandioso, você será imortal. Para mim é claríssima a vantagem de ser admirado e de ser imortal. Por que então preferem a mesquinharia da corrupção? Talvez sejam burros. Talvez vivam em uma bolha de puxa sacos, na crença de que são admirados por toda a população. Por exemplo, temos aqui no Recife o Maurício de Nassau, que ficou para a história pela sua liderança urbanística no século XVII. Hoje em dia só há um punhado de empresários e políticos que só pensam em ganhar dinheiro enfeiando a cidade. Empresários e políticos que serão esquecidos assim que a última pá lhes cobrir o caixão. Tenho pena desses “líderes” mesquinhos. Pena mesmo.

Eu já tinha vivido em Boa Viagem nos primeiros oito anos quando vim morar aqui no Recife, e não posso dizer que não tenha suas vantagens. Tem uma classe média mais desligada da tradição, ao contrário de outras áreas mais decadentes da cidade. Há outros bairros que ainda dão importância para qual o seu sobrenome e em que escola você estudou, uma classe média de grife casagrandesca que se veste com uma casca mais civilizada, mais européia, que esconde seu cheiro atrás do perfume e sua violência por trás de palavras gentis. Très chic. Boa Viagem, ao contrário, tem uma classe média mais rústica, infantil e franca, que não tem a necessidade de esconder sua hipocrisia atrás de uma roupagem alternativa. É honestamente consumista e ponto final. Entre os burgueses carcomidos vestidos de hippies e os burgueses vestidos de burgueses, fico com esses últimos. Burguês por burguês, melhor um burguês honesto.

Como se percebe pela ranzinzice totalmente gratuita, meu incômodo com a classe média é bem maior do que meus conflitos internos com a política. A não ser no caso em que a classe média brinca de fazer política “em nome do povo”, pois daí elevam ao quadrado a baixaria. Acho que esse incômodo talvez seja a fonte da minha total intolerância à separação que tentam fazer entre os motociclistas ricos e os motoqueiros pobres. E também com a minha intolerância à micropolítica na universidade, que é controlada por grupos de pessoas que se conhecem desde o tempo da escola. E também minha certa implicância com o movimento cicloativista e novourbanista daqui, que é formado basicamente por burgueses de boas famílias. Quando se olha só para a classe média, Recife, apesar do tamanho, é como uma cidade pequena, todos se conectam, todos se ajudam mutuamente. O vereador é tio do advogado que namora a manifestante que é prima da jornalista que é casada com o juiz que é pai do médico que é compadre da professora que é cunhada do delegado que é genro do especulador que é marido da irmã do vereador. Muitos discursos bonitos, muitas batalhas de faz-de-conta, poucas mudanças de fato.

Boa Viagem tem uma ciclovia legal para rodar ao nascer do sol. É ventilada. Fica perto da praia. Aliás, a praia de Boa Viagem é o que mais me atrai no Recife. É uma mistura de pobres e ricos, crianças, freiras e putas, negros e chineses. Mesmo na ciclovia, que é a parte que mais uso, também há uma grande mistura: velhos ciclistas como eu buscando um pouco de saúde, esportistas a toda a velocidade, coroas dondocas querendo atenção, empregadas indo ao trabalho. Adoro essa bagunça.

O que eu mais sinto falta no Recife é da arte, tanto a internacional (e.g., teatro, música clássica, jazz, cinema não americano) quanto a local (que infelizmente tem se fixado cada vez mais em uma tradição estagnada, financiada pelas estatais e controlada pelo governo). Às vezes tem alguns lances legais, mas ou são muito caros ou são cheios demais – o que prova que as pessoas querem arte de verdade, só não têm tantas oportunidades.

Quando eu vim para o Recife, para passar um ano, eu podia ter escolhido qualquer cidade do norte ou nordeste, isso por causa do tipo de bolsa. Escolhi o Recife porque gostava do Chico Science & Nação Zumbi, que fazia uma mistura de maracatu, guitarras, rap e rock, uma mistura de arte, politica e crítica social. Se uma cidade podia produzir algo assim, devia ser legal. Pena que o movimento morreu junto com o Chico Science, tendo sido afogado pela tradição travestida de alternativa, pelo governismo travestido de popular.

Então por que não vai embora do Recife? Perguntaria o avestruz. Porque eu vivo aqui por escolha, não por nascença. Porque meu trabalho e meus filhos estão aqui. Porque um pesquisador deve ficar perto do problema que estuda. Porque para um escritor o inferno é mais interessante que o paraíso. Porque ainda tenho esperança de um renascimento social e artístico da cidade. Porque não ouço falar de nenhuma outra cidade brasileira em situação muito melhor. Porque eu não teria mais do que reclamar. Porque eu sou masoquista. Porque não quero ir embora por enquanto. Porque eu gosto daqui. Gosto, mesmo me sentindo, eu não sei, um americano em Paris.

Mas Não Conte Para Ninguém

Voltando ao carro que tive que comprar, deixa-me falar um pouco das primeiras impressões. Estou aterrorizado em gastar tanto dinheiro com combustível. Ele faz cerca de oito quilômetros com um litro de gasolina! Também, pesando quase uma tonelada e tendo sido projetado para uma velocidade máxima de 165 km/h, claro que tem que ser ineficiente para rodar na cidade. Estou preparando um texto com a Análise do Carro para detalhar um pouco mais.

Assim como Boa Viagem, o carro tem seu lado bom. Gosto de rodar com ele com o ar condicionado ligado, conversando com meus filhos, ouvindo música. E, principalmente, sem medo de ser atropelado a qualquer momento, apreensão que é constante quando rodo de moto ou de bicicleta.

A moto para mim significa meu posicionamento político e social; anárquica, popular, barulhenta e subversiva. A bicicleta significa a minha busca como engenheiro e como indivíduo; ela é eficiente, elegante, autossuficiente, contemplativa, simples e silenciosa. Já o carro não significa nada para mim, nada mais é que uma ferramenta cara e ineficiente que sou obrigado a usar por falta de opção. Se bem que, pensando bem, estou até gostando de dizer que tenho um carro, para não ser tomado como um purista moralista adolescentóide control freak, como muitas vezes são classificados os que preferem as motos e as bicicletas apesar de já terem idade avançada. Além disso, o carro também tem um certo simbolismo pessoal porque, já que tive que comprá-lo por causa do meu filho, ele acaba representando esse amor paterno.

Andar de carro me fez voltar à natação, pois agora é mais fácil levar a tralha e depois voltar cansado para casa. Pô… se os carros fossem elétricos, leves, baratos, tivessem velocidade reduzida e comunicação entre veículos, eu poderia até gostar deles. O único “problema” que teriam seria na pilotagem, pois um veículo em quatro rodas não permanece naquele equilíbrio instável e fugaz que gosto tanto nas motos e nas bicicletas.

Por outro lado, claro que, se a minha cidade fosse mais arborizada, tivesse arte nas ruas, tráfego mais tranquilo, com uma distribuição urbanística minimamente inteligente, eu poderia ter esse mesmo tipo de prazer que o carro está me dando na minha bicicleta. Mas não é uma mudança que posso fazer sozinho. É, talvez esteja na hora de deixar de ser um velho egoísta rabugento e começar a participar dessas lutas políticas a favor das bicicletas que tanto critico.

Se Essa Rua Fosse Minha

Já falei bastante sobre a moto nova lá no Motoqueiros em Fuga. Continuo gostando muito de andar com essa moto mais parecida com as que rodam por aí. Em junho fiz uma pequena viagem de 500 km. A moto se comporta bem até os 110 km/h, mas senti uma certa falta de potência. Em geral, ao contrário do que se pensa, os carros fazem curva melhor que as motos. Por isso é bom estar um pouco longe deles na entrada das curvas – principalmente quando está chovendo. Como chovia bastante nessa viagem, e como a moto não conseguia de descolar dos carros, eu sempre entrava em uma curva preocupado com buracos, com lama e, pior, com o carro colado atrás. Já cansei de falar sobre essa questão de que as motos deveriam poder andar um pouco mais rápido que os carros, para ficarem distantes, mas parece que terei que morrer tocado por trás para que minha voz seja ouvida. Pior é que é bem possível que um burocrata diga que eu “caí sozinho”, já que o carro provavelmente não vai parar depois de me derrubar.

Nessa moto nova eu não coloquei um bauleto, o que tem duas grandes implicações. Primeiro que levo menos carga agora, pois tudo tem que caber na mochila. Mas o principal é que não há lugar para guardar o capacete, então ando por aí carregando-o o tempo todo, o que acaba reforçando minha imagem de motoqueiro. Legal. Comprei um capacete novo também, já que meus outros dois eram ainda da época da Grande Viagem (o preto) e da Viagem ao Atacama (o branco e azul). Às vezes uma mudança de roupa é legal para animar o espírito.

Uma das maiores vantagens do carro, clichê mas verdadeiro, é que agora curto bem mais quando ando de moto. A pilotagem da moto tem características que os carros e as bicicletas não têm. Principalmente, a combinação do equilíbrio dinâmico (que o carro não tem por ter quatro rodas) com o controle feito pelo acelerador (que a bicicleta não tem por não ter potência e tração suficientes). Pilotar uma moto é uma experiência que carangueiros e bicicleteiros não conseguem imaginar. Por exemplo, a sensação de ser abraçado pela sua amada que está na garupa, confiando a vida dela na sua pilotagem. Esse carinho é sem igual. Há vários outros motivos, como escrevi lá no texto Porque Eu Ando de Moto.

Assim como a bicicleta também tem suas características próprias, como a satisfação de usar o seu próprio corpo como motor, o prazer de chegar ao seu limite físico, o silêncio, o passo calmo. O carinho da bicicleta é passear ao lado de quem você ama. Já no mundo das letras, o maior carinho que sua musa pode fazer é ler o que você escreve.

Mas veja que não são atos de submissão feminina, pois na moto você está servindo a sua mulher, na bicicleta está fazendo-lhe companhia, e na escrita apenas detalhando que ela inspirou. Atos recíprocos de carinho que dependem de uma profunda confiança.

Agora, se pilotar uma moto na estrada é legal, há problemas no tráfego urbano. Como as motos têm que andar na mesma velocidade que os carros (se correrem mais são multadas, se correrem menos são atropeladas por trás), não há margem para aceleração a não ser nas largadas nos semáforos e nas saídas das curvas. Então, estou tendo que deixar de lado o velho instinto de controlar a moto acelerando, seja para passar sobre um buraco ou desviar de um bueiro aberto. Uma pena, tanto pelo prazer de pilotar quanto para minha segurança. Mas parece que é pedir demais que os burocratas do trânsito entendam o mínimo que seja da pilotagem de motos. Ainda bem que nesse novo percurso para o trabalho eu tenho que pegar um trecho de estrada, o que libera uma certa esticada além dos 60 km/h. Só é preciso ter cuidado com os buracos, pois parece que os burocratas gostam mais de culpar os outros do que fazer o seu serviço.

Na verdade, eu passo 1/4 do tempo olhando para o retrovisor para não ser atropelado, 1/4 para o velocímetro para não ser multado, 1/4 para o chão para não passar nos buracos, e só 1/4 do tempo olhando para os pedestres e outros veículos. Além disso, como tenho que andar o tempo todo na velocidade máxima para não ser montado, só tenho 2/3 do controle (freio e guidão), pois não posso acelerar.

Assim como no caso dos carros, eu também gostaria muito mais se a minha moto fosse mais leve, mais eficiente, tivesse propulsão elétrica e viesse com tecnologia V2V para me proteger dos carros. Uma moto feita para uso urbano. Quem sabe um dia.

A Vida Imita a Arte

Uma das razões para eu ter parado de viajar de moto é que os meus passeios começaram a ficar prisioneiros dos meus textos. Quer dizer, eu já saía de casa pensando no relato que iria escrever depois. Isso já tinha acontecido antes com as fotografias, que empatavam qualquer passeio, pois nas horas mais legais eu sempre parava para tirar uma. Pior é que a fotografia acaba condicionando o texto, pois às vezes você tira uma puta foto que não se encaixa na narrativa da viagem, mas que você precisa colocá-la de algum jeito. Ou então você não tira foto em alguma parte super legal, daí o texto fica meio desvalorizado. Por essas razões há muito tempo eu deixei de tirar fotos. Agora chegou a vez de parar de escrever. Nessa última viagem não levei caneta, bloco, máquina fotográfica, nada que me forçasse a um registro. Foi muito legal, mas não vou contar. O que acontece em Vegas fica em Vegas.

Na verdade, ultimamente até as minhas leituras ficaram presas à escrita, pois às vezes parece que estou lendo só para fazer uma resenha depois. Talvez seja por isso que estou relutando um pouco para escrever sobre os bosozokus, Amsterdam, motos pequenas, segways, rickshaws, e arte e arquitetura para bicicletas, sobre livros que estudei este ano. Quero voltar a rodar de moto e ler com mais calma, sem a pressa de publicar algo a respeito. Por isso não publiquei ainda a metafísica do motoqueirismo e motoqueiros temerários, ideias que preciso refletir mais.

A Novidade Veio Para Rodar na Praia

Finalmente comprei uma bicicleta com marcha no cubo, como eu sempre quis. Para isso tive que pedir para montarem uma bicicleta totalmente nova, pois os quadros de hoje em dia (feitos para marchas com descarrilhador) tem a gancheira para baixo, não permitindo o ajuste da corrente no caso de transmissão sem marcha, ou com marcha interna. A seleção das marchas ficou bem legal, pois antes prestei bem a atenção nas minhas marchas preferidas na MTB. Como Recife é plana, três marchas são suficientes: largada, cruzeiro e velocidade. A bicicleta ficou meio que um Frankenstein, toda remendada, o que impediu de instalar outros acessórios que eu queria testar também, como suspensão e freio a disco dianteiros. O pneu de 1.5″ 700mm 80 psi liso faz o passeio bem suave quando o asfalto é bem cuidado, mas a bicicleta chacoalha toda nos paralelepípedos. O que é um pouco atenuado pelas molas no banco, mas que por sua vez prejudicam a pedalada com alta potência. O quadro não era exatamente o que eu queira, mas foi o que deu para arranjar. Alguns componentes já estão enferrujando, como o bagageiro e o guidão, que talvez tenham sido mal selecionados. São esses detalhes sem qualidade que muitas vezes minam o interesse pelo ciclismo. No geral, a bicicleta ficou excelente para pedalar no asfalto bom, mas a estética ficou prejudicada, bem como o seu comportamento em ondulações e frenagens.

As bicicletas atuais têm muitos inconvenientes. São ineficientes, pesadas, fáceis de roubar, tem limitação de carga, não protegem do sol e da chuva. Não são duráveis e não têm qualidade: enferrujam fácil, as marchas desajustam, não mudam bem nas largadas e subidas, e os pneus furam o tempo todo. Você nunca sabe se vai chegar no trabalho a tempo ou se a bicicleta estará bem quando chegar no bicicletário. Legal ter imprevisibilidades quando está viajando, passeando, quando ninguém conta com você, mas é bom ter uma certa estabilidade no dia a dia. Essas deficiências não são da tecnologia, mas do mercado, que não exige coisas melhores. Por exemplo, é muito fácil encontrar bicicletas caras com componentes inúteis para uso urbano, como suspensão e freio a disco traseiro. Por outro lado, é quase impossível comprar uma bicicleta com paralamas. Estou preparando um texto com a Análise da Bicicleta, falando sobre essas minhas experiências com o cubo de marcha.

Como Boa Viagem é longe da universidade, não estou indo mais ao trabalho de bicicleta. Se bem que já ía muito pouco, pois é complicado levar uma outra muda de roupa para usar no trabalho (calça, sapato, camisa), sem contar a falta de um lugar apropriado para tomar banho. Por outro lado, estou usando bastante a ciclovia. A bicicleta tem sido, portanto, cada vez mais uma companheira de esporte e lazer do que do dia a dia. Pena. Quero ver também se volto a usar a Sprint 10 para rodar na estrada. O chato é que a primeira parte da estrada, no Curado, tem muitos buracos no acostamento, o que sempre causa furos. Coisa frustrante que acaba diminuindo o prazer da estrada. Já aconteceu de ter que fazer três remendos em um trecho de 60 km.

Comparando Laranjas com Bananas

Vejo as dificuldades do tráfego e da infraestrutura para andar de moto como um desafio a ser criticado e vencido. De certa forma, me incentivam a rodar, escancarando o descuido que a sociedade tem com o povo. No caso da bicicleta, essas dificuldades urbanas me desestimulam. Os buracos, o esgoto, a falta de árvores e o calor me fazem rodar só no horário de lazer. Gosto de vento e subidas, mas não de coisas mal feitas.

Ao contrário da moto, que é parte essencial da minha identidade política e social, eu não tenho a mínima necessidade de ser visto rodando de bicicleta. Andar de bicicleta para mim é uma experiência unicamente pessoal, física, filosófica e emocional. Não tenho relatos nem fotos dos meus passeios, a não ser no caso dessa foto aí de cima, que vou explicar mais para baixo. Tenho tanta certeza da importância da bicicleta que não preciso ficar provando isso o tempo todo, seja para mim ou para os outros. De certa forma, metaforicamente, é como se a moto fosse a política e bicicleta fosse a filosofia. Como se a moto fosse a cara, o corpo e a voz, enquanto a bicicleta fosse o espírito.

Já o carro não tem importância alguma, seja política, social, emocional (com a ressalva da representação do amor de pai), tecnológica, artística ou física. É apenas uma ferramenta. Por isso tem sido extremamente relaxante andar de carro, pois nada está em jogo, nem minha imagem, nem minha individualidade, nem meus pensamentos, nem minha luta, nada. Andar de carro é como experimentar o descanso da morte.

Concluindo essa questão do carro, moto e bicicleta, penso que ao compararmos os três devemos sempre lembrar que as expectativas são diferentes. De um carro se espera o conforto, a proteção contra o inesperado; em uma moto se sente o prazer de se mover na instabilidade; e de uma bicicleta se extrai a sensação de ser a própria fonte do movimento. Estática, caos ou dinâmica. Segurança, pilotagem ou propulsão. Escolha o seu.

Pequenos Prazeres Simples

O esporte que eu acho mais legal de todos é a corrida urbana. Escrevi sobre isso em Nascido para Correr. Nada se compara a correr sozinho pelas ruas da cidade, sem a ajuda de máquinas, sem grandes investimentos. A não ser que você more no Recife, uma cidade com calçadas esburacadas, sem árvores, com esgoto a céu aberto, bueiros sem tampa, carros que não respeitam pedestres e sem iluminação pública. Daí é o inferno. Mesmo assim, eu sempre tentava correr, embora com bastante cansaço e com machucados frequentes nos pés.

Neste ano, depois de uma dor que não me largava há um tempão, fui a um médico que descobriu que tenho uma má formação óssea que causa esses problemas. Algo de nascença e irremediável. Adeus tentativas de corrida urbana. Pelo menos agora sei que minha dificuldade desde a infância em praticar esportes baseados em corridas e saltos (e.g., futebol, basquete e vôlei) não era preguiça ou falta de caráter. Entendo agora que é por isso que sempre aproveitei muito mais o ciclismo e a natação. Estou curtindo mais ainda essas duas modalidades.

Essa é minha nova vida depois da separação. Tenho um carro, uma moto, três bicicletas, um corpo relativamente saudável para um velho, uma mente relativamente saudável para um teimoso, dois filhos, um título de doutor que embora seja só um pedaço de papel que já atingiu a maioridade dos dezoito anos ainda me dá bastante orgulho, seis amigos imaginários já incluindo aí a bruxa, um emprego na universidade que me permite fazer o que gosto, alguns artigos publicados que me dão no mínimo a ilusão de estar ajudando a construir um mundo melhor, um blog experimental que me dá uma puta satisfação, e uma biblioteca, que deixo no meu gabinete do trabalho, com cerca de um milhar e meio de livros.

Quando fiz a minha mudança, trouxe tudo o que tinha em quatro bolsas. Isso é tudo o que tenho na vida. É como se sempre estivesse preparado para partir. Coisa meio livre, meio triste. Falta uma rede para relaxar da pedalada, mas o apartamento alugado, minúsculo, não tem sacada. No mais, estou muito satisfeito com esses pequenos prazeres. Se continuar assim daqui a pouco viro um monge. Um monge pode ser ateu?

Uma vantagem de ser um velho rabugento solitário é que você pode escolher os filmes que vai assistir. Principalmente nos tempos de internet, em que você não precisa ficar preso às baboseiras comerciais dos cinemas e locadoras. Tenho tido bastante tempo para procurar, escolher e aproveitar. Gosto mesmo quando são sobre motos, bicicletas ou livros, quando esses objetos são usados para representar alguma busca, alguma viagem. Alguns são sobre a vida e a morte, o destino e o acaso, o universo e o indivíduo, o tempo e a eternidade, o espaço e o infinito, a solidão e o amor. Nem sempre sobre os temas aqui do JEDR, mas pelo menos com cenas legais de motos, bicicletas e livros.

Mas não gosto só de dramas, filmes incomuns ou existencialistas. Gosto também de filme leves desde que com temas interessantes, como por exemplo quando usam a bicicleta para representar as conquistas sociais, políticas e sexuais das mulheres. Muitas feministas reconhecem que a bicicleta foi uma das principais ferramentas para a emancipação feminina na virada do século XIX para o XX, pois lhes dava mais mobilidade e forçava uma mudança no código de vestimenta. Espero que um dia as bicicletas sejam ferramentas também na emancipação de outras minorias. Ou, se não quiserem as gentis bicicletas, que sejam as motos, que são mais histéricas e vitaminadas.

Me peguei até gostando de lavar roupa, com calma. Não dá trabalho, é como nas viagens. É só uma questão de lavar todo dia, assim que você usa, assim que chega de uma pedalada ou do trabalho. Essa amiga bruxa me disse que ao gostar de lavar roupa meu inconsciente estava me dizendo que eu estava gostando de cuidar de mim mesmo. Legal. Mas não posso negar que, com o final do recesso chegando, não estou reclamando muito de agora ter uma máquina de lavar. Entendo isso como um progresso psicológico, em que agora estou começando a me deixar, aos poucos, ser cuidado pelos outros – mesmo que esses “outros” ainda não sejam humanos. Mas temo que a bruxa vai achar que a máquina de lavar é preguiça mesmo. Ela sempre tem razão. Mas ela também vai dizer que não é problema a gente ter uma preguicinha de vez em quando, que temos o direito de nos permitirmos certos pecados.

Ah… gosto muito de música também, e sozinho é bem mais fácil, assim como no caso dos filmes, para botar para tocar o que você quer ouvir. Sem contar que o carro é um ambiente legal para curtir um som. Estou meio viciado em uma rádio da internet chamada jazzradio.com, em particular no canal bebop. É legal chegar na casa vazia, pegar uma cerveja, sentar no chão, não pensar em nada e curtir o jazz, que dizem que é um ritmo que simula uma conversa animada em um bar, cada instrumento querendo chamar a atenção, alguns apaixonados, outros tímidos, outros estridentes, inocentes, visionários, doidos, todos formando a vida urbana, formando a música. Ou às vezes o jazz parece apenas com um maluco que sobe em uma caixa de tomates para falar um monte de baboseiras pessoais, coisas sem sentido. Ou às vezes parece com o tráfego urbano, com um monte de gente, com os mais variados veículos, com os mais diversos humores e intenções. O jazz é uma boa companhia e também uma boa representação da vida real.


 

2014 Encontros

Bem, e assim fechei meu ano sobre duas rodas. Troquei de moto. Tive três grandes bons choques ao tentar investigar a essência da nossa pesquisa motobicicleteira, do motoqueirismo e do bicicletismo: ao escrever o e.mail ao meu professor, ao encontrar a garota existencialista que me recuperou o chão, e ao ser convidado para dar uma aula humana lá no outro canto da universidade. Consegui escrever três textos completos, que somados dariam um pequeno livro, que tratavam dos vários ritmos das motos no tráfego urbano, da dinâmica das bicicletas e do preconceito contra os motoqueiros. Ministrei disciplinas na pós-graduação, uma sobre propulsão, outra sobre estudos gerais, e uma terceira sobre a modelagem do tráfego, sempre envolvendo bicicletas e motocicletas. Tentei outra na graduação sobre engenharia da motocicleta, mas sem estudantes desta vez. Reescrevi três códigos computacionais, um sobre motores de combustão interna, outro sobre a dinâmica dos veículos; sendo que no terceiro minha participação foi mais à distância. Estou ficando cada vez mais defasado em relação ao que os estudantes sabem, o que é muito legal, tanto por eles que estão aprendendo muito, quanto por mim que estou aprendendo a relaxar o controle sobre as coisas. Elaborei um projeto transdisciplinar sobre a mobilidade urbana que não foi aprovado para financiamento, mas que cristalizou várias ideias que tinha sobre o motobicentrismo acadêmico. Apresentei uma palestra minimamente digna na Antropologia sobre motoqueirismo. Refleti e escrevi muito sobre a minha visão pessoal do mundo das duas rodas na tentativa de juntar o motoqueirismo/bicicletismo com o motobicentrismo acadêmico, e também para tentar entender os motoqueiros temerários, em dois textos que estão semiprontos para publicação. Li bastante, em particular sobre seis assuntos que vão se transformar em textos: Segways, Rickshaws, Bosozokus, Amsterdam, Motos Pequenas, e Arte e Arquitetura para Bicicletas. Voltei a viajar de moto, mas sem relatos e sem fotografias, sem lenço e sem documento. Houve a tentativa de busca do self através de críticas políticas e da arte na construção de uma centena de colagens MBL. Aumentando o campo de visão, essa busca (acadêmica, política e artística) pode até vir a ser um livro sobre o motoqueirismo e bicicletismo mais para a frente. Houve também a entrada de dez estudantes (doutorado, mestrado e graduação) que agora pesquisam as duas rodas. Foi um ano cheio. A mudança para Boa Viagem trouxe consigo a necessidade de comprar um carro, que de certa forma compensei com a compra de uma terceira bicicleta. Sem contar a grande mudança no meu padrão de mobilidade, com o carro na metade da semana e a moto na outra metade, e a bicicleta ficando mais para o esporte e lazer. Li bastante, como sempre, sobre tudo e sobre todos. O que tenho feito? O de sempre. Tenho acordado cedo, lido, pedalado, motocado, assistido filmes, ouvido música, escrito, e curtido meus filhos. O de sempre. O de sempre. De uma forma geral, e por isso quase chamei este texto de “o ano em que vivemos perigo”, de repente foi um ano de aniquilamento de coisas legais, de construção de castelos no ar e de algumas tolas buscas juvenis. Mas talvez, bem mais provável, gosto de crer, tenha sido um ano de abandono de crenças que não cabiam mais, um ano de criação de uma ponte para coisas mais legais ainda, e de encontros filosóficos fundamentais. Só o futuro dirá.

2015 Caminhos

O que esperar de 2015? Ler e refletir mais sobre política, sociologia, economia, disrupção tecnológica, veículos elétricos, cultura, complexidade, teoria da informação, cadeiras de roda, tráfego, mobilidade, filosofia, poluição, educação, o poder da escrita, mudanças climáticas, bicicletas e motocicletas. Conviver mais ainda com meus filhos. Publicar os textos semiprontos que ficaram largados por aí. Refletir sobre essa minha visão pessoal do motobicentrismo, do motoqueirismo e do bicicletismo, que junta academia, engenharia, escrita, dia a dia e posicionamento sociopolítico. Orientar os estudantes, ministrar disciplinas sobre duas rodas e tentar aprovar o projeto que nos trará algumas facilidades. Um ponto importante é que precisamos começar a publicar logo os nossos achados acadêmicos, pois esse é o meio de contribuirmos realmente no mundo, o resto sendo hobby. Gostaria de ir ao trabalho de bicicleta, mas a cidade não ajuda. No mais, vamos ver se passeio mais de moto e de bicicleta, aproveitando a cidade e a região, sem registros.

Enquanto escrevia este texto, estive pensando em amigos de uma vida toda que passam por momentos difíceis, por isso o tom melancólico, repetitivo, e desprotegido, sem o devido cuidado que normalmente tenho em não me expor tanto. Para tentar alegrá-los um pouco, hoje de manhã traí o meu costume de usar a bicicleta só como esporte e também o costume de não fazer registros. Em geral pedalo o mais rápido possível – o que não é muito, no meu caso – , sem distrações, mas hoje pedalei mais devagar, parando para tirar fotos legais da praia e do nascer do sol para mandar para eles. Foi uma delas que usei na parte de cima do texto. Claro que atrapalhou o meu esporte, mas mais claro ainda que valeu a pena.

Mais tarde, ainda com esse sentimento de compartilhar a vida, estranho para mim, até postei uma daquelas platitudes fáceis no facebook por cima de uma foto que tinha tirado, dessas frases que eu há pouco disse que não gostava. Será que estou buscando mais curtidas ou só dando um pouco de prazer a quem caminha virtualmente comigo? Sei lá. Talvez valha a pena estragar uma pedalada de vez em quando por se importar com os amigos. Será que agrados fáceis, que quase não nos custam esforço, também têm valor?

I see friends shaking hands, saying “How do you do?”. They’re really saying “I love you”. Eu vejo amigos dando um aperto de mão, dizendo “Como vai você?”. Na verdade eles estão dizendo “Eu te amo”.

Dois mil e quatorze foi um bom ano. Não perfeito ou ideal. Bom. Um bom ano para o motoqueirismo, para o bicicletismo e para o livrismo. Um ano de encontros. Reencontro com a filosofia. Encontro do meu lado acadêmico com o cidadão e com o metido a escritor. O encontro de caminhos na busca pelo self, o acadêmico, o político e o artístico. Mudanças nas prioridades. Uma vida mais simples. Não sei direito o que esperar de 2015. Estes não são dias para grandes planos. Vamos esperar o luto passar. Vamos esperar as fotografias desconhecidas finalmente se revelarem. O segredo é não colocar nunca os problemas em um altar, e sim venerar a vida. Viver um dia de cada vez. Mas algo me diz que vai ser um bom ano.

Se tem uma cena de filme que mais bem representa o bicicletismo, o livrismo e o motoqueirismo, para mim, é quando o recluso William Forrester (Sean Connery, no filme Finding Forrester) pega a sua bicicleta na noite de Nova Iorque e parte para fazer o que deve ser feito. Vejo, através deste exemplo, que é possível ser individualista e solidário ao mesmo tempo, basta para isso ter integridade. Acho que essa é a resposta para a questão política, para o equilíbrio entre participar da luta e manter a sua liberdade. Não é preciso escolher entre uma ideologia simplória e um egoismo doentio. É possível sim lutar e ser livre.

Esse Finding Forrester é um puta filme sobre escritores e sobre lutar pelo que é certo e sobre a liberdade dos indivíduos. A trilha sonora não fica devendo nada para a estória, principalmente porque, não por acaso nem por coincidência, termina com a música preferida desses meus amigos, uma mistura de Somewhere Over the Rainbow e What a Wonderful World, cantada por Israel Kamakawiwo’ole, o gentil gigante havaiano que lutava pela independência da sua terra e que podia ter escolhido destruir tudo com o seu corpo imenso, mas que preferiu construir com a sua doce voz.

Someday I’ll wish upon a star wake up where the clouds are far behind me. Where troubles melt like lemon drops. Away above the chimney tops that’s where you’ll find me. Um dia eu farei um pedido a uma estrela, para acordar em um lugar onde as nuvens ficaram bem para trás. Em um lugar onde os problemas se dissolvem como balas de limão. Alto, bem acima das chaminés, é lá que vocês vão me encontrar. Saúde, amigos. Saúde e um aperto de mão.

4 Comments to “Encontros e Desencontros”

  1. Luis Peters says:

    Parabéns, Magnani. Belo e corajoso texto. Mais uma bela realização dentre as tantas que vens conseguindo. Que o luto se desvaneça em meio a novas conquistas e encontros espirituais. Obrigado por compartilhar.

  2. magnani says:

    Obrigado pelo apoio, Peters. Foi preciso coragem mesmo para me expor tanto. Mas tem horas que você precisa expressar o que está sentindo. Um abraço.

  3. Cassio Luna says:

    Professor Fábio, parabéns pelos textos. Larguei o mestrado em Saúde Coletiva na metade, mesmo já tendo qualificada a dissertação que tratava sobre educação em parada cardíaca. Muitos fatores contribuíram para a decisão:48 anos, filhinha de 1ano e meio do segundo casamento, anestesias todos os dias da semana em dois hospitais maternidade e outro de cirurgias de câncer . O “motoqueirismo”( aprendi com você agora este termo) que exerço diariamente e que me traz equilíbrio na passagem entre as salas de parto e as terapias de câncer, é um tema que apesar das dificuldades que se apresentam à mim, poderia me fazer voltar aos bancos acadêmicos. Aguardarei sua disciplina chegar à UECe. Grande abraço .

  4. magnani says:

    Oi Cassio, tudo bom? Legal que tenha gostado do blog. Espero que possa voltar logo ao mestrado, pois é muito gostoso estudar. Um abraço.

Leave a Comment

This blog is kept spam free by WP-SpamFree.