Motoqueirismo e “Motociclismo” – Parte 1

Jan 22nd, 2011 | By | Category: Motoqueirismo, Papo Geral, Posts

Esse negócio de “motociclista” é coisa para separar quem é rico de quem é pobre, separar quem tem moto grande de quem tem moto pequena, separar quem quer parecer bem comportado de quem anda de moto sem se preocupar com que os outros pensam. Claro que há exceções, gente que usa o termo sem pensar muito no seu significado, sem maldade. Mas o termo “motociclista” tem como único propósito o de discriminar.

O motoqueirismo inclui todos que andam de moto – seja por gosto ou por necessidade. Andou de moto é motoqueiro. O “motociclismo” exclui quase todos que têm motos pequenas. Bem, para ser justo, os “motociclistas” até deixam um cara de moto pequena ser chamado de “motociclista”; mas tem que ser bem comportado, limpinho, não fazer muito barulho, não ser muito folgado nos motoencontros, pilotar que nem uma velhinha e ser educadinho. Agora, quem tem moto grande, independente do comportamento, daí sim é “motociclista”. Essa palavra “motociclista” devia ser banida como discriminatória. Quase criminosa.

Tem gente que quer mascarar a real intenção do uso do “motociclismo”, dizendo que esse sim é o termo correto, por causa da origem da palavra. “Motociclista” vem de “motocicleta”, “motoqueiro” vem de “motoca”. Tentativa bonitinha, mas a nossa língua não é simplória assim. No Brasil, não andamos de “motocicleta”, andamos de moto. No Brasil, quem anda de moto não é “motociclista”, é motoqueiro. “Motocicleta” é um termo usado unicamente no meio técnico, porque é preciso deixar claro do que se está falando.

Alguns fatos

  1. É arriscado andar de moto.
  2. É gostoso andar de moto.
  3. Quem não anda de moto não gosta de moto.
  4. As fabricantes querem lucro.

Algumas conseqüências desses fatos

Em um país como o Brasil, a maior parte das pessoas compra motos pequenas; para trabalhar, para se locomover e para passear. Por isso, o grande foco das fabricantes por aqui está nas motos de baixo custo.  Cada fabricante precisa convencer o consumidor de duas coisas: 1) comprar a sua moto, não a moto da concorrente, e 2) que andar de moto não é perigoso.

Já a sociedade tem outros interesses. As pessoas em geral não gostam de moto porque são perigosas, trazendo muitos prejuízos emocionais e financeiros. A morte de um familiar em um acidente de moto é uma grande dor. Além disso, quem não anda de moto não gosta dos motoqueiros porque eles transmitem liberdade, alegria, crítica às regras e uma enorme fome de viver. A visão de pessoas assim pode ser quase insuportável para quem não anda de moto. É como se os motoqueiros passassem o dia inteiro zombando das pessoas, lembrando-as de como é viver de verdade, com todos os riscos que isso implica. Mas mesmo assim a sociedade precisa dos motoqueiros para entregar cartas, remédios, documentos e pizzas.

Então, temos desejos conflitantes aqui:

  1. As fabricantes querem vender muitas motos
  2. A sociedade não gosta dos motoqueiros
  3. A sociedade precisa dos motoqueiros
  4. Algumas pessoas vão fazer de tudo para andar de moto

Como resolver tudo isso? Fácil, vamos inventar uma coisa chamada “motociclismo”, um movimento formado por motos grandes e pessoas de bem.

O “motociclismo”

Como funciona o “motociclismo”? Primeiro, cada fabricante coloca no mercado umas motos grandes bem bacanas, algumas até parecidas com as que correm na TV ou aparecem em filmes americanos. Desse jeito, conseguem convencer os consumidores a comprar as suas motos pequenas. Como se a tecnologia fosse a mesma. “Aquela fabricante chinesa não participa do MotoGP. As suas motos de rua devem ser bem piores que as motos 125cc de rua das fabricantes tradicionais.”

Depois, criam-se encontros, programas de televisão, associações e revistas de “motociclistas” que só falam de motos grandes e de pessoas bem comportadas. Tudo uma maravilha. Esse “universo do motociclismo” tem várias utilidades. A primeira é vender as motos grandes que as fabricantes colocaram no mercado para promover a sua marca. De forma colateral, esse “universo do motociclismo” consegue convencer que a felicidade de alguém está em consumir a última moto lançada, o último acessório. Todo mundo sai ganhando: fabricantes, vendedores de pneus, fábricas de acessórios, editoras de revista. Tudo bem que essas motos grandes depois não têm peças de reposição e são difíceis de vender. Tudo bem que a luva impermeável demora 10 minutos para ser colocada depois que fica suada. Tudo bem que o “motociclista” saiu pilotando bêbado do motoencontro. Tudo bem que aquele pneu “adventure” é um perigo no asfalto. O “universo do motociclismo” não toca nesses assuntos.

O “motociclismo” serve também para usar como exemplo aos motoqueiros mal comportados: “Está vendo? Assim é que se deve comportar em cima de uma motocicleta.” As famílias podem colocar coleiras em quem insiste em andar de moto de qualquer jeito. “Tudo bem, amorzinho, pode andar de moto, mas não como um motoqueiro, promete?” Ainda, como na mídia especializada agora só aparecem os “motociclistas”, passa-se a imagem de que é possível ter um “motociclismo” seguro. É só uma questão de educar os motoqueiros, como se a velocidade não fosse uma atração irresistível a quase todos. “Sim, mas e aquele rapaz que corre com a sua moto esportiva, também é motociclista?” “Ele é de boa família. É diferente desses motoqueiros pé-rapados que correm no trânsito, né?” Não pense demais.

Por último, tem a utilidade de segregar os motoqueiros. Agora que não se pode mais falar mal abertamente das mulheres, das crianças, dos gays, dos negros e dos pobres, todo mundo escolhe “aqueles motoqueiros” como inimigos públicos número um, como causa de todos os males. “Mas, e o meu vizinho classe-média que só usa a moto para viajar, também é bandido?” “Ah, ele não é motoqueiro, é ‘motociclista’.” Falar mal de fumante ainda pode, mas poucos fumam. Sobra para os motoqueiros mesmo.

Os jornais adoram ter um demônio esperando para ser a fonte dos problemas. Trânsito? Motoqueiros. Crime? Motoqueiros. Desrespeito? Motoqueiros. O que é interessante é que eles até começaram a usar o termo “motociclista”, mas continuam a ligar quem anda de moto apenas a comportamentos imorais, ilegais ou incultos. Continuam confundindo deliberadamente co-incidência com causa-e-efeito.

Esse movimento do “motociclismo” tenta separar quem anda de moto em duas classes: aqueles “motociclistas” bonzinhos que aparecem nas revistas e aqueles motoqueiros bandidos que aparecem nas páginas policiais. A sociedade gostaria que não houvesse nenhum dos dois, porque não quer ver mortos seus familiares que amam as motos. Mas querem pizza. Não conseguem segurar seus filhos e filhas apaixonados por motos. Bem, podemos amansá-los com o exemplo do “motociclismo”.

As fabricantes não gostariam de ver os bandidos aparecendo na TV, pois isso prejudica as vendas. Mas podemos esconder os acidentes com a possibilidade teórica de um “motociclismo” seguro. O problema é que motos não são seguras. Nunca serão.

O motoqueirismo

A separação entre motoqueiros e “motociclistas” só serve para as fabricantes, para quem não anda de moto e para os “motociclistas” que não querem se misturar à ralé.

Só que existe algo muito mais importante do que isso: a paixão por andar de moto. Isso existe no cara rico de meia-idade que procura algo de novo na vida, no jovem pobre que passeia no domingo com sua namorada, no cara que conseguiu um trabalho melhor como entregador, no fuçador que desmonta a sua moto todo final de semana. Todos são apaixonados por motos. Todos são motoqueiros. Queiram ou não queiram.

O motoqueiro tem uma mensagem muito clara: viver é bom e viver é arriscado.

O “motociclismo” tenta esconder esse lado imprevisível das nossas vidas. Tenta diminuir o nosso exemplo contra os regulamentos excessivos. Tenta fazer a gente se sentir mal por gostar de pilotar de verdade uma moto. Tenta fazer a gente ficar no nosso lugar, sem incomodar ninguém. Quietinhos, limpinhos, educadinhos.

O “motociclismo” é bom para vender motos. Bom para controlar os maridos, mulheres, filhas e filhos. Mas não é bom para a cabeça das pessoas. Não é saudável ter medo de tudo nesta vida. Não é inteligente aceitar todas as regras impostas.

Eu gosto de viver. Sou responsável. Sei que andar de moto é arriscado. Não separo as pessoas pela classe social ou pelo tamanho da moto. Não preciso ter o último lançamento de moto para ser feliz. Preciso andar de moto. Sou motoqueiro.

(continua em Motoqueirismo e “Motociclismo” – Parte 2)

10 Comments to “Motoqueirismo e “Motociclismo” – Parte 1”

  1. Olá, Fábio.

    Com algumas excessões pontuais concordo com quase tudo que você escreveu no texto. Creio que este assunto – caso já não tenha sido estudado, daria para uma bela tese de doutorado que envolveria bastante de comportamento, pesonalidade, preconceito, cultura, vida moderna, papéis e relações sociais. Fica aí uma sugestão de tema para quem estuda psicologia a áreas afins.

    Como falamos há alguns dias eu me trato e chamo as pessoas de “motoqueiro” não para dar uma alcunha, tratar de forma pejorativa ou qualquer outra intenção negativa. Pelo contrário é mais para ver e me divertir com a reação de algumas pessoas que se sentem ofendidas com a palavra, e aí se enquadra em muito do que você escreveu. E também (e principalmente) porque a palavra motoqueiro me soa e tem significado de algo agradável, carinhoso, afetivo, próximo, amigo, companheiro. Acho mais fácil falar moto ou motoca que motocicleta. Mas independente da palavra tudo o que é envolvido neste mudo das motos é o que me fascina e no qual (acho) que me torna uma pessoa melhor e mais feliz.

    Abraços

  2. magnani says:

    Oi Rômulo. Eu tenho uma impressão parecida com a palavra “motoqueiro”. Desde que eu nasci, sempre aprendi que quem andava de moto era motoqueiro. Só depois que fui descobrir que tinha gente que dividia os motoqueiros em duas categorias: os “motoqueiros” e os “motociclistas”. Para mim é tudo igual. E tudo diferente. Todo mundo é motoqueiro.

    Sobre a tese de doutorado, eu só posso orientar dentro da engenharia mecânica. Mas tenho muito interesse por todos os aspectos dos motoqueirismo. Tento fazer a minha parte para criar e fortalecer essa nossa cultura.

    Abração.

  3. Zan says:

    Olá, Fabio, muito bom o têxto.
    Acredito que essa intenção dos fabricantes em promover o consumo seja extensiva a todos os bens de consumo, desde uma caneta (Montblanc ou Bic)passando pelos carros (Palio ou Ferrari), enfim… É o jogo capitalista. Você é levado a estar na moda, a comprar o carro novo, a roupa da estação, etc, etc… Com as motos não é diferente, nem melhor nem pior.

    Quanto ao termo, bem, sempre fui cabeludo, rockeiro e andei de moto.

    Já há alguns anos que meus avatares contêm a inscrição “Motockeiro e Roquista”, pois não me considero 100% uma coisa ou outra. Sou um pouco motoqueiro e um pouco motociclista.

    O têrmo motoqueiro, no geral, é mais “hipongo”, enquanto o motociclista é mais “requintado”.

    Como tudo tem seus exageros, extremam o motoqueiro à condição de bandido e o motociclista à condição de bonzinho. Na prática não é por aí, todos sabemos.

  4. magnani says:

    Oi Zan. Acho que as fábricas estão mais é certas. O que eu defendi é que isso não é muito bom para a gente. Podemos fazer melhor. Abraço!

  5. Fernando Alves says:

    Então, resumindo, conforme seu texto,
    motociclista = bem comportado e
    motoqueiro = mal comportado…
    Nunca vi tanto preconceito!
    Eu tenho uma motoca grande, sou motoqueiro
    e procuro me comportar bem, usar equipamento
    de segurança, etc…
    Conheço gente que tem motocicleta pequena,
    é motociclista portanto e igualmente tem boa
    conduta motoqueira.
    Toda generalização tende a ser preconceituosa!
    O mal comportamento está em todas as faixas de
    usuários de moto. Independente da fama do fabricante
    do equipamento.
    Cordiais saudações.
    Fernando.
    Daqui prá frente serei motista…

  6. magnani says:

    Prezado motista Fernando, você claramente não entendeu o texto.

  7. Matheus says:

    Fantástico o texto.

    Como não sou escritor, sintetizo como abaixo:
    Diferenças:
    Motociclista é o cara que respeita fielmente as leis mas anda a 120 numa estrada de 80, só respeita a galera com alta cilindrada (as vezes é extremamente hipócrita, muitas vezes eugenista, playboy, se acha).
    Motoqueiro é o cara que anda de moto, erra, acerta e tem consciência que não é um santinho….

    Links interessantes:
    http://olddogcycles.com/2013/11/voce-e-motoqueiro-ou-esta-motoqueiro.html
    http://olddogcycles.com/2013/08/motoqueiro-ou-motociclista.html

  8. magnani says:

    Oi Matheus, tudo bom? É por aí. Abraço.

  9. Marcelo Alves says:

    Motoqueiro ou motociclista?

    Quando as primeiras motocicletas começaram a chegar ao país, logo depois da Primeira Guerra, foram chamadas de motos, motocas ou de “mototocas”.
    E quem andava de motoca era mesmo motoqueiro.
    É daí que vem a origem do termo.
    O motoqueiro pilota sua motoca assim como o motociclista conduz sua motocicleta.
    Se eles são bons ou maus, não será pela palavra moto ou motoca nem por motociclista ou motoqueiro.
    Motoqueiro não se confunde com os moto-boys ou mesmo com os chamados “cachorros loucos”,sendo que esses últimos (e por isso que recebem esse nome) são os que arranham carro e quebram retrovisores.
    Ainda que nem se deem conta de que podem levar um tiro pelas costas.
    Tampouco motociclista pode resumir quem anda totalment enquadrado (ou certinho) no transito, ainda que o “rótulo” aponte para isso.
    Mas nem sempre as coisas são o que parecem.
    O termo motoqueiro se presta mais adequado aos que tem sobre duas rodas um estilo de vida e não pilotam por mera diversão ou mesmo por conveniente ocasião.
    Motoqueiro não faz passeios, não vai “ali dar um rolê” ou usa sua moto mais cara para subjugar o semelhante que tem uma máquna mais simples. Motoqueiro é extremamente orgulhoso da máquina que tem, mas não sabe ser esnobe.
    Pode parecer irrelevante,mas não é.
    As diferenças são grandes.
    São imensas.
    Essa é a tradição por aqui é o motoqueiro quem mais carrega toda o sentido da expressão e inequívoco significado.
    Para corroborar o que digo, alguém viu os filmes “Motociclista fantasma” ou “Motociclistas selvagens”?
    Então…
    Prazer em conhecer. Meu nome é Marcelo, tenho 48 anos e sou motoqueiro

  10. magnani says:

    Obrigado pelos comentários, Marcelo. Abraço.

Leave a Comment

This blog is kept spam free by WP-SpamFree.