Icó – Viagem à Caatinga

15.10.2007

Estamos de volta da Caatinga, depois de 1.400 km, sãos e salvos.  cheers

Na sexta-feira (12/10) saímos às 06:30 para o sertão.

Para vocês entenderem, o negócio aqui é mais ou menos o seguinte. Saindo do litoral, por uns 80 km, ainda é a Zona da Mata (quente e úmida). Depois sobe-se uma serra, o clima fica um pouco mais frio. Depois de uns 300 km, começa a transição para o sertão propriamente dito. Esse é que fomos conhecer.

Chegando em Pesqueira (200 km para dentro do continente), já encontramos uma região muito seca.

Mas, para as árvores que têm raízes profundas, sempre tem água.

Seguimos subindo e viramos para o Norte, rumo à Paraíba. Passamos então pelo Alto Pajeu. De lá, no topo da Serra do Teixeira, dá para ver centenas de kilometros de uma região baixa, quente e plana da Paraíba.

Na estrada, muitos bodes, povoados, mandacarus.

Mas, o que mais impressiona mesmo é o Carcará, o falcão brasileiro.

Qualquer lugar com um pouco mais de água vira um paraíso:

Chegando em Icó-CE, encontramos uma cidade com arquitetura portuguesa litorânea (como Olinda e Penedo), encravada no meio do sertão.

Passamos ainda pelo Açude de Orós. Mais uma coisa impressionante no meio daquela região toda seca:

————-

Em São José do Egito-PE, conhecemos o pessoal do motoclube “Carcarás do Pajeu”, que nos acompanhou no almoço.

Em Icó, um professor de história, Antonio José (toninho), nos contou todas as brigas seculares entre as famílias Montes e Feitosa, as lendas, arquitetura, situação atual da cidade. Também nos levou para conhecer vários prédios históricos.


————-

O único ponto negativo foi a minha moto. Na 5a marcha, quando chegava a 5.500 rpm (mais ou menos 110 km/h), resolvia “ratear”. Perdia potência e eu sentia uma vibração nas pedaleiras. A corrente estava frouxa, sem possibilidade de ajuste. Espero que seja apenas isso, trocar a transmissão secundária. Nesses trechos em que perdia a potência, chegou a fazer média de 13 km/litro.

————–

Como usamos um tempo em Icó-CE e Orós-CE, resolvemos voltar pela Paraíba mesmo. A ida foi pelo percurso azul. A volta que tinha sido programada pelo vermelho, acabou sendo pelo caminho preto mesmo.

No segundo dia andamos até Campina Grande-PB, onde encontramos com a Renata, Francisca e Mateus, nossos inseparáveis companheiros de viagem.

————–

É isso! Não percam o filminho da viagem:

——-

No sertão, ficamos em dúvida quando víamos um Carcará ou um Urubu. Os urubus que conhecemos, que ficam nos lixões das cidades grandes, são todo pretos, ficam sempre em bandos em volta de carniça e voam lentamente. Os pássaros que vimos no sertão (talvez alguns Carcarás), aparentemente são Urubus-de-Cabeça-Vermelha. Parece que vivem em duplas (ou serão os Carcarás que fazem isso?), voam de forma graciosa sobre a caatinga.

Foto do pássaro que encontramos no sertão (provavelmente um Urubu-de-Cabeça-Vermelha):

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

 

Foto de um Urubu-de-Cabeça-Vermelha (internet):

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

 

Foto de um Carcará (internet):

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Foto de um urubu-Comum (internet):

 Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Foto de dois Carcarás tirada Paulo Afonso-BA (dá para ver o pescoço branco): 

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket